FABIO MOTTA/ESTADAO
FABIO MOTTA/ESTADAO

Azul pode ficar com pelo menos metade dos slots da Avianca em Congonhas

Analista do Citi avalia que a Azul deve abocanhar cerca de 20 horários de pousos e decolagens pelo menos

Fabiana Holtz, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2019 | 17h34

Na disputa pela redistribuição dos 41 horários de pousos e decolagens (slots) da Avianca em Congonhas, o analista do Citi, Stephen Trent, avalia que a Azul deve abocanhar pelo menos metade dessa oferta, aproximadamente 20.

"A Azul sempre pareceu ser a beneficiaria natural nessa história e acredito que a redistribuição é a melhor solução para o mercado em todos os aspectos", afirmou em entrevista ao Estadão/Broadcast. Para o analista, a Passaredo também poderia acabar ficando com alguns slots. A amazonense MAP também anunciou em nota à imprensa que pretende participar da disputa.

A partilha que será realizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) na segunda-feira, dia 29, ocorrerá sob a nova regra temporária aprovada pela autarquia na quinta-feira, que exclui as concorrentes Latam e Gol do processo.

Mesmo com a potencial entrada da Azul na ponte-aérea Rio-São Paulo, Trent ressalta que Latam e Gol devem continuar sendo majoritárias nessas rotas. "A Azul deve se lançar nessa rota assim que possível, pois tem capacidade para tal. E considero que isso não irá comprometer suas margens, pois as oportunidades de expandir sua rede regionalmente, incluindo cidades do interior paulista, além de Rio de Janeiro, Belo Horizonte (MG) e capitais do Nordeste, são muito atraentes". Segundo ele, a empresa ainda poderia lançar uma nova rota no Nordeste com conexão para a Flórida (EUA), entre outras opções.

Com relação aos reflexos da decisão da Anac no preço das passagens, Trent observa que ainda deve demorar de quatro a cinco meses para os passageiros sentirem uma redução nas tarifas. "No longo prazo os preços devem cair, mas o mercado doméstico ainda deve passar por um período de acomodação principalmente entre agosto e setembro, com muita volatilidade", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.