Bacia de Santos pode ter 46,5 bilhões de barris

Relatório do banco Credit Suisse mostra que essa estimativa ainda pode ser conservadora

Kelly Lima, RIO, O Estadao de S.Paulo

03 de janeiro de 2008 | 00h00

Novas avaliações da Petrobrás na Bacia de Santos podem elevar para até 46,5 bilhões de barris as reservas de petróleo na região. A afirmação é de relatório do banco Credit Suisse, que aposta no projeto Carioca/Pão-de-Açúcar, um dos reservatórios abaixo da camada de sal que vem sendo testado pela Petrobrás e seus parceiros. Segundo dados geológicos aos quais o banco teve acesso, a área fica em quatro blocos exploratórios concedidos pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), operados pela Petrobrás com diferentes sócios.O relatório, assinado pelo analista Emerson Leite, indica que o projeto Carioca pode ter entre 12 bilhões e 24 bilhões de barris de petróleo. Caso a Petrobrás confirme a extensão dos reservatórios, todas as empresas envolvidas terão que negociar um novo consórcio, que englobe todas as concessões. Nesse caso, quem não estiver disposto a bancar os altos custos de exploração ou produção abaixo da camada de sal teria de vender sua participação, afirmou um executivo da Petrobrás."Essa é uma possibilidade real porque os dados sísmicos apontam para uma mesma mancha existente em toda a extensão dessa área. Isso faria com que todos os investidores que detém a concessão de um bloco se tornassem parceiros", explicou a fonte. A Petrobrás tem como parceiras, nas áreas que englobam o projeto Carioca, as empresas Galp, Repsol, BG, Exxon e Amerada Hess. O técnico da estatal confirma que o Campo de Tupi, hoje com 5 bilhões a 8 bilhões de barris, pode ser ultrapassado por outros projetos."Temos sete poços perfurados na região, dos quais apenas três tiveram os dados divulgados. Ainda há boas novidades por sair nos próximos meses, quando as análises dos dados estiverem concluídas", disse.Leite, do Credit Suisse, disse que a aposta em 46,5 bilhões de barris na área é "conservadora". Ele lembrou que as perspectivas exploratórias da camada pré-sal ainda podem se estender para a Bacia de Campos e do Espírito Santo.Segundo a fonte da Petrobrás, o petróleo que está abaixo da camada de sal na Bacia de Santos pode ser viabilizado comercialmente mesmo que o preço do barril caia a até hipotéticos US$ 35. "Muito se fala do custo elevado para produzir o óleo naquela profundidade, mas estamos avançando consideravelmente em tecnologia para superar o desafio e viabilizar essa produção em escala comercial", disse a fonte.Com o petróleo na casa dos US$ 90, disse o executivo, é perfeitamente viável para a produção, mas "ninguém apostaria num projeto que exigisse a manutenção desse patamar".Conforme geólogos consultados pelo Estado, dificilmente o custo de extração na área ficaria abaixo dos US$ 20, ante uma média de US$ 7 hoje empregados para a exploração no País.A fonte da empresa lembrou que ainda há desafios a serem vencidos antes do início da produção nos campos do pré-sal. O principal deles é a destinação do gás natural extraído com o petróleo, uma vez que as reservas estão muito distantes do continente, inviabilizando a construção de gasodutos submarinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.