Bahia Sul permanece registrada na Bovespa

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) informou que o leilão de permuta de ações preferenciais (PN, sem direito a voto) classes A e B da Bahia Sul por ações preferenciais da Suzano, controladora da companhia, foi concluído com ágio 9,69%. Foram trocadas 682,177 milhões de ações da Bahia Sul por 37,325 milhões de ações da Suzano, movimentando um volume financeiro de R$ 967,4 milhões. Nos bastidores, foi travada uma verdadeira disputa entre a Suzano e os minoritários. De um lado, os acionistas montaram um movimento para impedir o fechamento de capital da empresa. Eles estavam descontentes com a relação de troca oferecida pela Suzano e queriam melhorar as condições da operação. Enquanto isso, para incentivar a adesão, a Suzano anunciou até que iria bancar parte dos custos de corretagem do leilão.ResultadoA Suzano comprou apenas um terço das ações da Bahia Sul no leilão. Segundo informações da Bovespa, foram computadas 682,177 milhões de ações na operação, mas nesse lote estão incluídos os 597.457.036 de papéis vinculados à ofertante Suzano, como o BNDES. Essa última fatia não entra no cálculo para que a Suzano pudesse fechar o capital da controlada. A controladora precisava de adesão de dois terços dos acionistas que se habilitaram para conseguir tirar a Bahia Sul da Bolsa. Com o resultado da operação, a empresa Bahia Sul permanece registrada na Bovespa, uma vez que a adesão dos minoritários à oferta da Suzano foi inferior aos dois terços determinados pelo edital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.