Baixa adesão do pequeno investidor ao fundo de índice da Bolsa

O diretor-financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Marcio Henrique Monteiro de Castro, admitiu hoje que o banco esperava uma adesão maior dos pequenos investidores ao Papéis Índice Brasil Bovespa (PIBB). A intenção, segundo ele, era reservar R$ 600 milhões para estes aplicadores, mas o interesse foi de apenas R$ 304 milhões. "Torcíamos para isso, mas não aconteceu", afirmou. De qualquer forma, o executivo classificou como satisfatório o lançamento do produto.Ele lembrou que, com exceção das ofertas com o FGTS da Vale e da Petrobras, a venda do PIBB superou em participação do pequeno investidor todos os últimos lançamentos de ações feitos este ano. Enquanto o PIBB arrecadou R$ 304 milhões junto a pequenos investidores, a oferta da Natura atraiu R$ 128 milhões; a da ALL atraiu R$ 107 milhões; e a da Gol Linhas Aéreas, R$ 88 milhões. "Podia ter saído fantástica, mas saiu boa, não foi ruim", disse.O PIBB foi criado em parceria entre o BNDES e os bancos Itaú, Itaú BBA, Goldman Sachs e JP Morgan. Ele é composto pelas 50 ações mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e que são representadas pelo índice IBrX-50. A aplicação mínima, por meio de bancos e corretoras, era de R$ 300 e a taxa de administração, de 0,059%.O fundo oferecia a garantia de recompra ao investidor, pessoa física, que aplicou até R$ 25 mil no seu primeiro ano de existência. Se o índice IBrX-50 acumular perda nos 12 meses seguintes à oferta do fundo no mercado, o investidor poderá revender suas cotas à BNDESPar pelo mesmo valor nominal investido no momento do lançamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.