Baixa do petróleo pode levar preço da gasolina a cair

O preço do petróleo fechou em baixa pelo oitavo pregão consecutivo em Nova York, atingindo os US$ 69,87. Foi a primeira vez em dois meses que a cotação fica abaixo dos US$ 70 por barril, cenário que reabre a temporada de apostas por redução nos preços da gasolina e do diesel no País. Os dois produtos já estão há mais de um ano com valores acima das cotações internacionais e, segundo analistas, a defasagem hoje supera 14% na gasolina e 18% no diesel.

AE, Agencia Estado

12 de dezembro de 2009 | 10h00

"Nosso cenário para a trajetória das cotações do petróleo e da taxa da câmbio (real x dólar) para o próximo ano sugere uma probabilidade não desprezível de reajuste negativo nos preços da gasolina e do diesel praticados pelas refinarias nacionais", afirmam os analistas da Tendências Walter de Vitto e Camila Saito, em relatório distribuído na quarta-feira. Para eles, a probabilidade maior é de que o reajuste seja feito no segundo semestre.

O documento, porém, foi elaborado em um cenário de alta das cotações, revertido a partir do final da semana. Ontem, o mercado de petróleo começou a sentir os efeitos de dados positivos sobre a economia americana - que, segundo analistas, podem antecipar um movimento de alta de juros na maior economia do mundo, recuperando o valor do dólar. Uma cotação abaixo dos US$ 70 não ocorria desde 29 de setembro.

O petróleo chegou a bater US$ 82 em outubro, criando a falsa impressão de recuperação do mercado, mas desde então já caiu 13%. Segundo relatório do banco Barclays, o consumo de combustíveis nos Estados Unidos caiu 20% no ano. Para os analistas do banco, a demanda está "pouco inspirada", diante de um inverno de temperaturas amenas e demora na recuperação da atividade econômica. A variação, portanto, tem sido mais creditada ao câmbio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleogasolinapreço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.