Baixar preço de combustíveis é estratégia, diz secretário

A decisão de baixar o preço dos combustíveis não foi uma imposição do governo, mas sim uma estratégia comercial da própria Petrobras, garantiu à Agência Estado o secretário executivo do Ministério das Minas e Energia, Maurício Tolmasquim. Dizendo que desconhecia o anúncio feito hoje pelo presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, Tolmasquim garantiu que o fato de a notícia estar circulando no mesmo dia da reunião do Copom que irá decidir sobre os juros é apenas uma coincidência. "É uma coincidência boa", brincou, lembrando que o preço dos combustíveis não é o único fator importante na definição da trajetória dos juros. Ele assegurou, também, que, ao contrário do que estima o mercado, as perdas sofridas pela Petrobras durante o período em que os preços dos combustíveis permaneceram inalterados apesar da alta externa ainda não foram zeradas. "As perdas líquidas da Petrobrás ainda são substanciais", declarou, recusando-se a revelar números. Segundo ele, o atual preço do mercado internacional permite uma redução nos preços domésticos, mas vai impedir uma recuperação total das perdas. Ele lembrou, contudo, que, devido à defasagem entre os preços interno e externo, a Petrobrás estava correndo o risco de perder mercado no País já que estava havendo uma mobilização dos clientes da estatal para importar diretamente os combustíveis, em vez de comprá-los nas refinarias da Petrobras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.