bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Baixas em tecnologia nos EUA se refletem na Ásia

A maioria das Bolsas asiáticas fechou em queda no último pregão da semana com pressão das perdas nos papéis de tecnologia, que recuaram expressivamente por causa das baixas registradas ontem nos principais índices do mercado acionário norte-americano. O índice Weighted, em Taiwan, foi destaque de baixa, caindo 158,00 pontos (2,83%), para encerrar em 5.433,02 pontos. Os papéis da JIC Technology caíram 38%, enquanto os da ASM Pacific Technology, 4,6%. Na Coréia do Sul, o índice Kospi recuou em 14,43 pontos (1,78%), para fechar em 795,16 pontos. As ações da Samsung Electronics, maior empresa do mercado pelo critério de capitalização, caíram 3%. O índice Hang Seng, em Hong Kong, caiu 96,06 pontos (0,84%), para encerrar em 11.284,71 pontos, com perdas lideradas pelas ações da Taiwan Semiconductor Manufacturing (-7%). Em Cingapura, o índice Straits Times fechou estável, em queda de apenas 0,01 ponto, ou variação zero em porcentagem, em 1.652,45 pontos. Nas Filipinas, o índice PSE fechou em queda de 27,81 pontos (2,13%), em 1.274,87 pontos, enquanto o índice Thai SET, na Tailândia, fechou de lado, em leve baixa de 0,43 ponto (0,10%), em 417,33 pontos. Na Indonésia, o índice JSX Composto fechou em leve alta de 0,30 ponto (0,06%), em 514,02 pontos, enquanto o KLSE Composto, na Malásia, subiu 2,33 pontos (0,31%), para fechar em 755,21 pontos. Efeito também é sentido em TóquioA Bolsa de Tóquio fechou com o índice Nikkei-225 em queda de 136,41 pontos (1,18%), em 11.438,53 pontos, com perdas nos papéis de tecnologia (Advantest -6,4%; Tokyo Electron -4,3%; TDK -2,1%; Kyocera -1,3%; Hitachi -2,2%; Sony -0,9%; Fujitsu -1,3%; Nikon -3,9%; Ricoh -2,4%), que foram pressionados pelo recuo nos mercados acionários norte-americanos. O índice fechou abaixo dos 11.500 pontos pela primeira vez desde 14 de maio. O mercado praticamente ignorou os dados sobre o PIB do primeiro trimestre, divulgado antes da abertura. O PIB do país se expandiu em 1,4% no período em relação ao trimestre anterior. Até ontem, os analistas vinham dizendo que o mercado reagiria positivamente a um crescimento econômico no primeiro trimestre dentro das expectativas. No entanto, o alerta da norte-americana Intel para margem de lucros e faturamento menores no segundo trimestre ofuscou o anúncio do indicador em linha com as projeções de mercado. Para piorar, muitos participantes, no aguardo do vencimento dos contratos futuros do índice Nikkei de junho, começaram a vender no mercado futuro para proteger o valor de seus portfólios contra um possível enfraquecimento no mercado. A queda nos preços dos contratos futuros também pressiona o mercado à vista. O Topix, barômetro amplo do movimento de todos os papéis da primeira etapa da sessão, fechou em queda de 6,21 pontos (0,6%), em 1.101,87 pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.