Baixo crescimento e juro alto desafiam Brasil, diz banco alemão

O crescimento econômico fraco e as altas taxas de juros continuam representando o principal desafio para o Brasil, informa relatório trimestral do Deutsche Bank sobre a perspectiva da economia mundial divulgado hoje. O banco alemão acredita que o Banco Central brasileiro deverá continuar reduzindo os juros no segundo semestre deste ano. Entretanto, devido à preocupação com a inércia dos preços e o realinhamento dos salários, os analistas do banco mantiveram a previsão para a Selic no final deste ano em 23%, acima do consenso do mercado, que é de 21.5%. O banco estima que o PIB brasileiro irá crescer 1,6% em 2003 e 3,4% no próximo ano. Segundo o banco, as reformas na previdenciária e tributária estão avançando conforme os planos do governo a perspectiva para de aprovação continua positivo, embora o debate político deverá aumentar nos próximos meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.