carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Baixos estoques de petróleo podem pressionar preços

A Agência Internacional de Energia (AIE) alertou hoje que os estoques de combustíveis dos países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) atingiram níveis bem inferiores ao que era previsto no primeiro trimestre deste ano. Essa situação, aliada a uma maior redução na produção de petróleo poderá gerar uma pressão altista nos preços da commodity."No curto prazo, esses estoques menores irão beneficiar tanto os produtores como as refinarias, mas o custo para os consumidores consistirá em preços mais elevados e maior volatilidade", disse o organismo em seu relatório mensal divulgado hoje. "A menos que os produtores continuem a atender as necessidades do mercado, os apertados estoques do primeiro trimestre irão estabelecer o palco para tensões durante as temporadas de consumo de gasolina no verão e de combustíveis para calefação no inverno no hemisfério norte".Segundo a AIE, os estoques de combustíveis no primeiro trimestre deste ano ficaram 260 milhões de barris abaixo do nível registrado no mesmo período do ano passado. Em relação ao início de 2001, o déficit nos estoques é de 160 milhões de barris. A AIE observou que será necessário um razoável período de tempo para que os estoques de combustíveis sejam restabelecidos aos seus níveis normais. Onda de petróleoA AIE observou que a redução nos estoques ocorre num momento no qual os produtores estão discutindo cortes de produção. Desde o final de guerra no Iraque, analistas têm discutindo uma eventual redução na demanda nesse segundo trimestre e um suposta "onda de petróleo" que iria inundar os mercados. "Essa onda não se materializou e com a perda sustentável da produção iraquiana não deverá chegar tão cedo", disse a agência. Embora os estoques de petróleo cru tenham registrado uma pequena alta no primeiro trimestre deste ano, os de derivados despencaram. O aumento na quantidade de reservas de petróleo cru foi causado pelo aumento na produção da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) para compensar a perda de produção na Venezuela e Nigéria.Mas a temporada de intensa manutenção das refinarias nos Estados Unidos somada a uma surpreendente demanda contribuiram para uma aguda queda nos estoques de derivados.A estimativa de crescimento de consumo de petróleo da AIE para 2003 foi cortada em 90 mil barris por dia por causa do impacto da epidemia Sars no transporte aéreo e nas economias asiáticas. A agência salientou que que desde que a epidemia seja controlada, essa redução irá se concentrar nesse segundo trimestre. "Mas o impacto da Sars foi parcialmente compensado pelo forte demanda no primeiro trimestre". A agência informou também que a produção de petróleo diminui em 1,4 milhões de barris por dia em abril passado principalmente por causa da interrupção na produção iraquiana.

Agencia Estado,

13 de maio de 2003 | 08h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.