finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Balança comercial fecha agosto com saldo positivo de US$ 3,4 bi

A balança comercial de agosto fechou com um superávit (exportações maiores que importações de US$ 3,433 bilhões, resultado de US$ 9,056 bilhões em exportações (média diária de 411,6 milhões) e de US$ 5,623 bilhões em importações (média diária de US$ 255,6 milhões). No ano, a balança comercial acumula um saldo de US$ 21,951 bilhões.Na quarta semana de agosto (entre os dias 23 e 29), a balança comercial teve um superávit de US$ 744 milhões e na quinta semana (dias 30 e 31), de US$ 228 milhões.Importações e exportações O secretário de Comércio Exterior, Ivan Ramalho, afirmou que o aumento da demanda no mercado interno deve ser atendido por novos investimentos naqueles setores em que a capacidade produtiva está esgotada."Quem já colocou o pé lá fora não vai abandonar o mercado externo para atender o crescimento do mercado interno", disse. "Nós achamos que está havendo uma acomodação para atender o mercado interno e para prosseguirem as exportações."O secretário ainda levantou a hipótese de a indústria aumentar as importações para suprir essa demanda. "O crescimento das importações é desejado, principalmente de máquinas e equipamentos, porque significa o aumento da produção industrial e de novos investimentos", justificou o secretário. Ramalho disse que o governo já previa um crescimento proporcional maior para as importações do que para as exportações neste segundo semestre.Ramalho disse ainda que o resultado das exportações de agosto ficou acima das previsões. Segundo ele, a venda para alguns mercados tem crescido bastante como Argentina, Estados Unidos e China. "As exportações para os grandes compradores continuam crescendo além de haver um processo de diversificação com mercados alternativos", disse Ramalho.O secretário informou ainda que apesar do resultado, o Ministério ainda não prevê a alteração na previsão de superávit comercial para este ano, mas admitiu que se as exportações, nos próximos quatro meses do ano, continuarem no patamar de US$ 9 bilhões, a meta para as vendas externas de US$ 90 bilhões pode ser superada. Nos últimos três meses, as vendas externas atingiram cerca de US$ 9 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.