Divulgação
Divulgação

Balança comercial tem superávit de US$ 6 bilhões em outubro

É o maior saldo para o mês desde o início da série histórica, que teve início em 1989

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2018 | 15h46

BRASÍLIA - A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 6,121 bilhões em outubro, de acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) nesta quinta-feira, 1.º. Trata-se do maior saldo para outubro da série histórica, que tem início em 1989.

O valor é 17,9% maior do que o registrado em outubro do ano passado. Na quarta semana de outubro (22 a 28), o saldo comercial foi de um superávit de US$ 1,362 bilhão e, na quinta semana (29 a 31), de R$ 227 milhões. 

No mês passado, as exportações somaram US$ 22,226 bilhões, uma alta de 12,4% ante outubro de 2017. Já as importações chegaram a US$ 38,331 bilhões, um salto também de 12,4% na mesma comparação.

No mês, houve um aumento nas vendas de produtos básicos (+26%), manufaturados (+5,5%), e de semimanufaturados (3,0%).

Pelo lado das importações, houve alta de combustíveis e lubrificantes (+24,2%), bens intermediários (+11,2%), bens de capital (+11,1%) e bens de consumo (+7,8%). 

De janeiro a agosto, o superávit comercial soma US$ 47,721 bilhões, saldo 18,4% menor do que o registrado no mesmo período do ano passado. A previsão do governo para 2018 é que o saldo da balança comercial alcance um superávit acima de US$ 50 bilhões.

Petróleo e soja puxam resultado

O crescimento nas exportações brasileiras em outubro, quando alcançou o segundo maior valor da história, foi puxado, principalmente, pelo aumento nas vendas de soja e petróleo. 

De acordo com o diretor de Estatísticas do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), Herlon Brandão, as exportações de soja aumentaram 114%, principalmente pelo crescimento no volume exportado (72%) neste ano, que teve safra recorde. "Embora a soja esteja no final do escoamento da safra, os embarques ainda têm sido fortes. Embarcamos 5 milhões de toneladas em outubro", afirmou. 

Já as vendas de petróleo subiram 126,8%, com aumento principalmente no preço do produto. 

De janeiro a outubro, o saldo da balança brasileira é superavitário em R$ 47,7 bilhões, o segundo maior valor da história, abaixo, apenas, do mesmo período de 2017 (R$ 58,451). Para Brandão, o câmbio apreciado teve efeito, mas é a demanda externa aquecida o que mais influenciou no crescimento das exportações. 

Enquanto crescem as vendas de commodities, por outro lado, houve queda nas exportações de automóveis de passageiros (17%) e veículos de carga (17,8%). Isso ocorreu principalmente pela crise por que passa a Argentina, país que recebe 80% das exportações brasileiras de carros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.