Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Balança tem superávit de US$ 444 milhões na semana

O superávit comercial do País até a terceira semana de novembro praticamente atingiu a estimativa de US$ 11 bilhões para todo o ano. Com o saldo positivo de US$ 444 milhões na semana passada, o acumulado do ano já totaliza US$ 10,875 bilhões, o que deve obrigar o governo a rever novamente a meta. No acumulado dos últimos doze meses, o superávit é de US$ 11,802 bilhões. Segundo dados divulgados hoje pelo Ministério do Desenvolvimento, em novembro o superávit está em US$ 815 milhões, resultado de exportações de US$ 2,732 bilhões e importações de US$ 1,917 bilhão. As exportações seguem a tendência de crescimento iniciada no mês de julho. Aumentaram 21,4% na comparação com novembro de 2001. No acumulado do ano, as vendas externas estão 2% superiores ao mesmo período de 2001. Até final de setembro, o desempenho das exportações acumuladas era negativo. Na terceira semana deste mês, as vendas externas totalizam US$ 52,724 bilhões.Já o índice de queda das importações no ano, vem se mantendo estável nas últimas semanas. Até a terceira semana de novembro, os gastos caíram 16,2% ante o mesmo período de 2001. As importações somam US$ 41,849 bilhões. O bom desempenho das exportações, explica o boletim divulgado pela Secretária de ComércioExterior (Secex), é ocasionado pelo aumento das vendas em todas as categorias de produtos: básicos(35,3%), semimanufaturados (47,5%) e manufaturados (9,5%). Os produtos básicos tiveram as vendas puxadas, principalmente, por minério de ferro, petróleo bruto, café em grão, soja em grão, fumo em folhas e carnes bovinas, suínas e de frango.As exportações de semimanufaturados cresceram em razão de celulose, semimanufaturados de ferro/aço,óleo de soja bruto, couros e peles e ferro fundido e as de manufaturados por conta de aviões,aparelhos transmissores e receptores, laminados planos de ferro e aço, suco de laranja e outros sucos de frutas, automóveis, calçados, gasolina e motores para veículos.Em relação a outubro desde ano houve uma queda nas exportações de 2,9%, reflexo da redução dasvendas de básicos (13,8%) e manufaturados (-1,1%). Os semimanufaturados apresentaramcrescimento de 9,9%. As importações somam em novembro US$ 1,917 bilhão, com média diária de US$ 191,7 milhões. Emnovembro de 2001 a média foi de US$ 210,7 milhões. Isso não significa que haja uma queda dasimportações, pois a média diária de compras no exterior é 3,3% superior à de outubro passado. No comparativo com novembro do ano passado, reduziram-se os gastos com siderúrgicos (30,4%),automóveis e partes (26,9%), equipamentos mecânicos (25,7%), instrumentos de ótica/precisão(23,5%), farmacêuticos (23,3%), equipamentos elétricos e eletrônicos (-21,7%) e químicosorgânicos/inorgânicos (19,6%).Em relação a outubro, houve incremento nas aquisições de combustíveis e lubrificantes (31,9%), cereais e produtos de moagem (25,2%), instrumentos de ótica e precisão (5,9%) e plásticos e obras (2,5%).

Agencia Estado,

18 de novembro de 2002 | 10h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.