Balança tem superávit de US$ 617 mi na 1ª semana do ano

O saldo da balança comercial na primeira semana de janeiro registrou um superávit de US$ 617 milhões, resultado de exportações no valor de US$ 2,023 bilhões e importações de US$ 1,406 bilhão O valor é 17,18% menor que o da primeira semana de 2006, que, com um dia útil a mais, registrou um superávit de US$ 745 milhões. Ao contrário do comportamento do ano passado, quando as importações mostram-se mais fortes que as exportações, a média diária das vendas e das compras internacionais começaram o ano na mesma intensidade. Tanto a média diária das exportações quanto a das importações tiveram crescimento de 20% na comparação com janeiro de 2006.Segundo os dados divulgados nesta segunda-feira pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a média diária das vendas externas na primeira semana de janeiro, com apenas quatro dias úteis, foi de US$ 505,8 milhões, enquanto que, em janeiro de 2006, foi de US$ 421,4 milhões. O crescimento das exportações foi registrado nas três categorias de produtos: manufaturados, semimanufaturados e básicos. As vendas de semimanufaturados subiram 58,2%, por conta de catodos de cobre, açúcar em bruto, alumínio em bruto, couros e peles, ferro-ligas e ferro fundido. Os embarques de produtos básicos aumentaram 14,8% no mesmo período de comparação, principalmente milho em grão, minério de ferro, fumo em folhas, carne bovina, soja em grão, farelo de soja e café em grão. Os manufaturados tiveram alta 14,4%, em razão de suco de laranja congelado, álcool etílico, polímeros plásticos, tubos de ferro fundido, aparelhos transmissores e receptores, fio-máquina de ferro e aço, açúcar refinado e calçados.Nas importações, a média diária na primeira semana de janeiro de 2007 foi de US$ 351,5 milhões, ante US$ 293,2 milhões em janeiro do ano passado. Os dados do MDIC mostram que aumentaram as importações com adubos e fertilizantes, farmacêuticos, siderúrgicos, plásticos e obras, químicos orgânicos e inorgânicos, borracha e obras e automóveis e partes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.