Balanço de pagamentos pode ter déficit de US$ 1,7 bilhão

O fluxo de recursos oriundos de empréstimos, financiamentos e investimentos diretos para o Brasil registrado na conta capital e financeira do balanço de pagamentos deverá apresentar um déficit de aproximadamente US$ 1,7 bilhão em agosto, segundo a estimativa de agentes de mercado ouvidos pela Agência Estado. "Neste valor, já incluimos o item erros e omissões e o grande vilão foi a saída de recursos pelas contas de não residentes (CC5)", disse uma fonte de mercado. A fuga de capitais pelas CC5 verificada ao longo do último mês somou US$ 1,633 bilhão, de acordo com os dados já divulgados pelo Banco Central (BC).Sem levar em conta o fluxo dessas contas, o mercado calcula que a conta de capital e financeira ficaria equilibrada. "Sem a CC5, teríamos uma situação na qual nada entra e nada sai na conta de capital", comentou a mesma fonte. A conta capital registra a entrada e saída de recursos do País que servem para financiar o déficit nas chamadas transações correntes. Em agosto, especificamente, o resultado negativo nesse fluxo de recursos mostra uma retração de capital externo para o Brasil, o que acabará por anular o bom resultado das transações correntes previsto para o mês.O mercado calcula que, no mês passado, essas operações - que incluem exportações e importações realizadas, o pagamento de juros, remessas de lucros e gastos com viagens internacionais, além das transferências unilaterais - resultaram em um superávit entre US$ 50 e US$ 100 milhões. Essa é a primeira vez que o País apresenta desempenho positivo em conta corrente, desde 1994. "Fizemos esta estimativa tendo em conta uma remessa de lucros e dividendos de US$ 495 milhões e gastos com juros de US$ 730 milhões", disse a fonte.O mercado, entretanto, ainda não tem um consenso sobre o resultado das transferências unilaterais da conta corrente de agosto. "As transferências unilaterais podem ficar em US$ 140 milhões, ou repetir algo parecido aos US$ 235 milhões de julho", comentou uma outra fonte consultada pela Agência Estado. Com o resultado negativo da conta capital e financeira, o resultado global do balanço de pagamentos deverá ser deficitário em aproximadamente US$ 1,6 bilhão. Esse desempenho, entretanto, não deverá se repetir em setembro devido ao ingresso de US$ 3 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI) e a queda das saídas de recursos pelas CC5.De acordo com dados do próprio BC, as CC5 tinham registrado uma saída de US$ 253 milhões nos primeiros dez dias de setembro. "Veio um número muito positivo", disse uma fonte de mercado ao comentar este valor. Em conseqüência, a conta de capital e financeira deverá voltar a registrar um superávit necessário a consolidar o processo de ajuste das contas externas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.