Balanço do Panamericano confirma rombo de R$ 4,3 bi

O Banco Panamericano confirmou hoje que o rombo em suas contas é de R$ 4,3 bilhões. O número aparece no balanço patrimonial divulgado pela instituição, cujo controle passou do Grupo Silvio Santos para o banco BTG Pactual. As irregularidades no Panamericano vieram à tona no início de novembro do ano passado.

LUANA PAVANI, Agencia Estado

16 de fevereiro de 2011 | 11h55

De acordo com o balanço do banco, o montante final das irregularidades está dividido da seguinte forma: R$ 1,6 bilhão referente à carteira de crédito insubsistente; R$ 1,7 bilhão referente a passivos não registrados de operações de cessão liquidados/referenciados; R$ 0,5 bilhão referente à irregularidades na constituição de provisões para perdas de crédito; R$ 0,3 bilhão referente a ajustes de marcação a mercado; e R$ 0,2 bilhão referente a outros ajustes.

Por conta das irregularidades, o Panamericano decidiu informar apenas seus resultados no mês de dezembro - e não no trimestre -, já que não seria possível fazer comparações. Em dezembro, o Panamericano teve um prejuízo consolidado de R$ 133,617 milhões, resultado que inclui as empresas controladas nos segmentos de seguros, arrendamento mercantil e consórcios. As demonstrações financeiras divulgadas também foram apresentadas individualmente em relação ao banco, que teve prejuízo de R$ 142,244 milhões no mês.

Em 31 de janeiro, o BTG Pactual fechou a compra da participação do empresário Silvio Santos no Panamericano, por R$ 450 milhões. O dinheiro foi usado por Silvio para liquidar a dívida que ele contraiu com o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) para cobrir o rombo em seu ex-banco. A maior parte do prejuízo será absorvida pelo FGC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.