Balanço do Unibanco serviu como calmante, diz analista

Para especialista, mercado financeiro estava interessado em informações sobre operações com dólares

Luiz Raatz, do estadao.com.br,

25 de outubro de 2008 | 13h10

A divulgação antecipada do balanço trimestral do Unibanco na sexta-feira, 24, importou menos pelo resultado em si e mais pelo recado dado ao mercado, na opinião do analista financeiro Aloísio Lemos, da Ágora Corretora. "Serviu como um calmante", disse em entrevista ao estadao.com.br. Para o especialista, o mercado estava interessado em informações sobre operações com dólares, que nos últimos dois meses provocaram prejuízos na Sadia, na Votorantim e na Aracruz. O Unibanco informou que possui 33 clientes, todos pessoas jurídicas e empresas exportadoras, que fizeram opções de derivativos cambiais, alavancadas ou não. "Fizemos essas operações com empresas exportadoras com risco A ou AA e os valores individuais não são expressivos", afirmou o vice-presidente Corporativo e de Relações com Investidores do Unibanco, Geraldo Travaglia, em teleconferência com a imprensa. Segundo o analista da Ágora, esta informação era de interesse do mercado. "A ação do Unibanco vinha sofrendo ataque especulativo nos últimos dias. Ter o balanço antecipado foi bom", explicou.De acordo com o executivo, a cotação da moeda norte-americana nesses contratos ficou entre R$ 1,80 e R$ 1,90. O Unibanco informou que se as 33 empresas que possuem essas operações liquidassem as posições em 23 de outubro o pagamento seria de R$ 1 bilhão. "É uma média de R$ 30 milhões por empresa", disse Travaglia, lembrando que elas têm faturamento entre R$ 500 milhões e R$ 5 bilhões ao ano. A carteira de crédito do Unibanco soma R$ 74,3 bilhões.O balanço indicou um lucro líquido recorrente - que não leva em conta operações extraordinárias - de R$ 704 milhões. O crescimento foi de 5,6% em relação ao resultado apurado no mesmo período do ano passado. No segundo trimestre, o banco teve lucro de R$ 756 milhões - um aumento de 18,5% comparado com o triênio abril-junho 2007.Mesmo com o ‘calmante’, as ações ordinárias do Unibanco caíram 18,89% na sexta-feira. Em outubro, as perdas acumuladas chegam a 45,93%. No ano, o banco se desvalorizou 52,4%. A bolsa paulista fechou em queda de 6,91%. No mês a perda é de 36,84%. Em 2008, a Bovespa já caiu 50,72%.( Com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
unibancocrise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.