Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Balanço e perspectivas

Final de ano é o momento de avaliar o ano que finda e das previsões sobre o que se pode esperar para o novo ano.

AMIR, KHAIR, MESTRE EM FINANÇAS PÚBLICAS PELA FGV, CONSULTOR, AMIR, KHAIR, MESTRE EM FINANÇAS PÚBLICAS PELA FGV, CONSULTOR, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2011 | 03h03

Balanço 2011 - Não foi um ano feliz. Inflação alta e crescimento baixo são tudo o que não se queria que ocorresse e que ocorreu. A explicação é simples. Desde setembro de 2010 houve um surto inflacionário no mundo, em razão da escalada dos preços das commodities. Isso se deveu: ao início da injeção de US$ 600 bilhões pelo banco central americano, inundando o mercado de dólares e criando, em contrapartida, sua desvalorização perante outras moedas; e à maior demanda do que oferta, especialmente dos metais e alimentos.

Além da inflação importada, normalmente nos quatro primeiros meses o IPCA registra metade da inflação do ano, por causa do reajuste de transportes coletivos, despesas escolares, gasolina, álcool, IPTU, IPVA, etc.

Para combater a inflação importada e a sazonalidade, o governo comprou a tese do mercado financeiro de que a causa da inflação era o excesso da demanda em relação à oferta e, para isso, deveria encarecer o crédito, elevar a Selic e reduzir suas despesas, ou seja, pisar no freio da economia. E assim foi feito.

As medidas macroprudenciais criadas no final de 2010 encareceram o crédito ao consumo. A Selic subiu nas cinco primeiras reuniões do Copom, passando de 10,75% para 12,50%. O governo cortou R$ 50 bilhões do Orçamento e ampliou mais R$ 10 bilhões no superávit primário (receita menos despesas exclusive financeiras). Resultado: o crescimento econômico, antes previsto em 5%, foi afundando até o governo perceber que havia exagerado na dosagem. Isso ocorreu há três meses, mas o estrago já estava feito. A economia pode encerrar 2011 sem alcançar 3% de crescimento, ameaçando prejudicar o primeiro semestre de 2012. Por outro lado, como o diagnóstico da inflação estava errado, a inflação externa empurrou a nossa para o limite de 6,5%.

Perspectiva 2012 - O ministro da Fazenda prevê crescimento de 5% com inflação de 4,5% e o mercado financeiro, crescimento de 3,4% com inflação de 5,4%. Creio que tudo dependerá da intensidade da crise da zona do euro e das medidas que o governo adotar para ativar a economia. Uma coisa parece certa: a inflação não deve ser o problema central da política econômica em 2012. A prioridade, segundo a presidente, será reativar a economia para crescer 5%.

A intensidade da crise vai depender, em parte, da possibilidade da implementação de medidas que permitam a rolagem das dívidas soberanas dos países mais endividados. Como eles têm déficits estruturais nas contas externas, o problema é mais grave que o simples ajuste fiscal. Assim, é mais provável uma crise com estagnação ou recuo da economia da zona do euro em 2012. Isso vai dificultar exportações, baratear importações e restringir o crédito externo.

Aqui, mesmo estimulando exportações, poucos resultados poderão ser conquistados. As commodities devem sofrer estagnação/redução na demanda e nos preços, mas serão o carro-chefe das exportações, em razão do abastecimento da China.

Quanto ao crédito, o colchão de mais de R$ 400 bilhões de depósitos compulsórios dos bancos no Banco Central basta para garantir liquidez à economia. E, em relação à inflação, é de esperar uma redução/estabilização dos preços externos, em razão da oferta maior que a demanda. Isso ajuda a conter cerca de metade dos preços internos. A outra metade fica com os preços administrados (30%) e serviços (20%). Sabe-se que preços administrados são contidos em ano eleitoral. Assim, 80% da inflação poderá ser baixa. A isso se soma a nova metodologia de cálculo do IPCA, reduzindo-o em meio ponto. Isso pode levar o IPCA a ficar abaixo da meta de 4,5%.

O desafio maior é o crescimento. O salário mínimo vai dar um empurrão no início do ano, mas, sem vigoroso estímulo ao consumo, o crescimento não se sustentará. Para garantir bom nível de crescimento, só reduzindo a taxa de juro do consumo, que trava o crescimento. Se isso não for feito, corre-se o risco de repetir o baixo crescimento de 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.