Ban Ki-moon pede US$ 2,5 bi para enfrentar crise alimentícia

Diretor do Banco Mundial diz que pretende criar fundo para financiar agricultura dos países mais pobres

Efe,

29 de abril de 2008 | 06h48

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, fez nesta terça-feira, 29, uma chamada urgente à comunidade internacional para que doe US$ 2,5 bilhões com o objetivo de enfrentar a crise alimentícia. O diretor do Banco Mundial, Robert Zoellick, assegurou que "as próximas semanas serão críticas", e disse que sua entidade pretende criar um fundo para financiar os países mais pobres e ajudar sua agricultura. Em entrevista coletiva, Ban considerou um "desafio sem precedentes" a explosão dos preços dos alimentos no mercado mundial, ao informar sobre a reunião que acontece desde segunda-feira em Berna com os diretores de várias agências da ONU e de organismos como o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio (OMC). "Se os fundos que solicitamos aos doadores não forem plenamente cobertos, corremos o risco de presenciar ainda mais o aumento da fome, da desnutrição e do surgimento de distúrbios sociais em uma escala sem precedentes", disse o secretário-geral. Na reunião, foram estabelecidas entre as causas da crise a falta de investimentos no setor agrícola, os subsídios que distorcem o comércio, os subsídios aos biocombustíveis, as más condições climatológicas e a degradação do meio ambiente.

Tudo o que sabemos sobre:
crise alimentíciaONUBird

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.