Bancários aguardam proposta para reajuste salarial

A Confederação Nacional dos Bancários (CNB), ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT), espera para esta semana o agendamento de um novo encontro com os dirigentes da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), para discutir a campanha salarial dos bancários, em data-base desde 1º de setembro.O último encontro entre as duas partes, na última sexta-feira, dia 19, foi marcado pelo impasse: os bancos oferecem 10% de reajuste, mais um abono de R$ 1.320,00, enquanto os bancários reivindicam 21,58% de aumento salarial. "Já estamos em crise. Os bancos não fizeram proposta na última reunião e entendemos que isso é um disparate", explica o presidente da CNB, Vagner Freitas.Ele afirma que os bancários poderão articular, a partir da próxima semana, uma greve nacional da categoria, que poderia ser deflagrada em outubro, caso os bancos não melhorem sua proposta nos próximos dias. "A greve prejudicaria a imagem dos bancos, o setor que mais ganha na nossa economia, que desfruta da mais alta lucratividade. Ninguém gosta de banco: nem a população, nem os empresários", argumenta.Na quinta-feira, dia 25, a CNB promoverá novas paralisações com tempo determinado em agências em todo o País. A intenção da entidade representativa dos trabalhadores é, no entanto, de evitar que a decisão sobre o reajuste salarial seja definido em litígio, pela Justiça do Trabalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.