Bancários de todo o País entram em greve; saiba o que fazer com as contas

Consumidor deve procurar a empresa e solicitar outro meio de realizar o pagamento

Economia & Negócios,

27 de setembro de 2011 | 10h25

SÃO PAULO - Em campanha salarial, os bancários decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira, 27, em todo o País. A decisão dos sindicatos da categoria e a paralisação dos Correios devem trazer mais complicações para o consumidor na hora de pagar as contas.

O Procon-SP orienta que o cliente "fique ciente que não liquidar a fatura, boleto bancário ou qualquer outra cobrança, que saiba ser devedor, não o isenta do pagamento, se outro local lhe for disponibilizado para realizá-lo". Assim, a recomendação é entrar em contato com a empresa e solicitar outra opção de local para efetuar o pagamento.

A Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) lembra que, além das agências bancárias, os consumidores podem realizar suas operações em caixas eletrônicos (179 mil pelo país), e em mais de 165 mil correspondentes não bancários, como casas lotéricas, agências dos correios e redes de supermercados.

Outra opção é fazer uso dos serviços de débito automático para pagamento de contas de consumo (como água, luz e telefone), além de realizar transações por meio de internet, telefone fixo ou celular.

Segundo o Procon, caso o fornecedor não disponibilize outro local de pagamento, o consumidor deve documentar esta tentativa de quitar o débito e pode registrar uma reclamação junto ao órgão.

Os bancos ofereceram reajuste a todos os salários, pisos salariais, benefícios e participação nos lucros e resultados (PLR) de 8% a partir de 1º de setembro de 2011. Já os bancários reivindicam 12,8% de reajuste, sendo 5% de ganho real, e aumento do piso para R$ 2.297,51 (segundo os trabalhadores, pela proposta da Fenaban, o piso subiria para R$ 1.350,00). O PLR pedido é de três salários acrescidos de R$ 4,5 mil.

A greve nacional dos bancários recebeu adesão de funcionários nos 25 Estados e no Distrito Federal, segundo levantamento da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). O único estado sem greve é Roraima, que deve decidir sobre a adesão ao movimento durante assembleia na noite de hoje.

(Com Marcelo Rehder, de O Estado de S.Paulo, Solange Spigliatti, do estadão.com.br, e Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.