finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bancários fazem passeata na Avenida Paulista

Em greve, 200 funcionários realizaram ato, partindo do Museu de Arte de São Paulo em direção à Praça Roosevelt, no centro

Felipe Resk, especial para Agência Estado,

24 de setembro de 2013 | 19h25

Cerca de 200 bancários em greve realizaram na noite desta terça-feira, 24, uma passeata, partindo do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, em direção à Praça Roosevelt, no centro da capital. Os manifestantes ocuparam duas faixas das vias, o que causou tráfego lento nos trechos do percurso.

A greve nacional da categoria, que dura seis dias, tem adesão de quase 30 mil trabalhadores da Grande São Paulo, de acordo com a assessoria do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Ao todo, 612 agências e 17 centros administrativos foram afetados pela paralisação.

Pela manhã, centenas de trabalhadores ocuparam as calçadas da Avenida Paulista para protestar. "Nós tivemos um dia extremamente proveitoso", comentou a presidente do Sindicato dos Bancários, Juvandia Moreira.

As manifestações ocorreram em frente à superintendência do Banco do Brasil e da matriz do Grupo Safra; além do Bradesco Prime, na esquina da Rua Itapeva, e do Daycoval, ao lado do Parque Trianon. O movimento chegou ainda aos prédios da Caixa, do Citibank e do Itaú no Conjunto Nacional.

Na pauta de reivindicações da categoria está o reajuste salarial de 11,93%, que representa 5 pontos porcentuais de aumento real, e piso de R$ 2.860,21. Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), a Federação Nacional de Bancos (Fenaban) propôs 6,1% de aumento, o que corresponde apenas às perdas da inflação; não havendo, portanto, aumento real no salário.

Além disso, os bancários pedem três salários mais parcela fixa de R$ 5.553,15 como Participação nos Lucros ou Resultados (PLR). Eles também reclamam por melhores condições de trabalho, fim das demissões e plano de cargos e salários, entre outros benefícios.

De acordo com a presidente do sindicato, "não há nenhuma reunião marcada, mas nós estamos dispostos a conversar com os bancos a qualquer momento".

No ano passado, a paralisação durou nove dias, quando os bancários conquistaram reajuste de 7,5%, com aumento real de 2 pontos porcentuais. A reivindicação inicial também era de 5 pontos porcentuais mais a inflação. No entanto, a presidente do sindicato não acredita que vá ocorrer o mesmo. "Não há motivos para a categoria reduzir a proposta inicial. Trabalhamos em um setor que lucra muito."

Tudo o que sabemos sobre:
grevebancários

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.