Bancários paralisam 2,5 mil agências por todo o País

Greve continuará até os bancos apresentarem proposta; bancários pedem 10% de aumento nos salários

AE, Agencia Estado

25 de setembro de 2009 | 09h11

O primeiro dia da greve dos bancários mobilizou trabalhadores, em maior ou menor proporção, em praticamente todo o Brasil. São Paulo, Osasco e região, que concentram boa parte da mão de obra dos bancos, contaram com a mobilização de 29 mil trabalhadores, segundo o sindicato que representa a categoria. A adesão corresponde a 21,6% dos trabalhadores da base do sindicato. Em todo País, a greve dos bancários atingiu 2,5 mil agências.

 

Veja também:

linkBancários fazem passeata em SP no segundo dia de greve

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), Carlos Cordeiro, diz que a paralisação vai continuar até os bancos apresentarem uma nova proposta. "Essa greve foi uma resposta à altura das propostas feitas pelos patrões." O presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Luiz Cláudio Marcolino, espera que a adesão à greve aumente nos próximos dias. "Queremos atingir os patrões para conseguir uma proposta melhor", afirma.

Os bancários pedem 10% de aumento real nos salários (além dos 4,5% relativos à inflação dos últimos 12 meses) e participação nos lucros e resultados (PLR) de três salários, acrescidos de R$ 3.850. Os trabalhadores pedem ainda a inclusão na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) de uma cláusula de proteção ao emprego em caso de fusão. A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) - que representa os bancos nas questões trabalhistas - ofereceu a reposição da inflação e PLR menor que a paga à categoria no ano passado. A entidade reclama que os bancários interromperam as negociações ainda no início das conversas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
grevebancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.