Bancários pedem extensão do acordo para bancos estatais

Dirigentes da Confederação Nacional dos Bancários (CNB) vão pedir à equipe econômica que estenda aos funcionários da Caixa Econômica Federal (CEF) e do Banco do Brasil (BB) a proposta de reajuste salarial da categoria acertada com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Eles já marcaram reuniões com os ministros da Fazenda, Antonio Palocci, e do Planejamento, Guido Mantega, na próxima quarta-feira, para debater o assunto.Segundo o diretor-executivo da confederação e membro da comissão de negociação do Banco do Brasil, Deli Soares, os trabalhadores dos bancos estatais não abrirão mão do reajuste salarial de 12,6%, além de abono de R$ 1,5 mil, participação nos lucros e correção de auxílio alimentação e tíquete refeição oferecidos pela Fenaban. "Somos todos bancários e, se os bancos estatais efetuam práticas de mercado de competição com os bancos privados, também podem adotar a mesma política de correção salarial", disse.Soares disse que se BB e CEF não aplicarem a correção de forma linear, a tendência é que os funcionários das duas instituições façam greve. "Ficamos oito anos, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, sem reajuste salarial. Não tem sentido o governo Lula adotar a mesma política do governo anterior", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.