Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bancários querem igualar salários de BB e Nossa Caixa

Os sindicatos de trabalhadores do setor bancário iniciaram ontem mesmo uma movimentação para garantir os empregos dos funcionários da Nossa Caixa e do Banco do Brasil. O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, filiado à CUT, confirmou para hoje, às 14 horas, uma reunião com a direção do Banco do Brasil. Segundo o sindicato, a direção do BB assumiu o compromisso com o movimento sindical de que, após o fechamento do negócio, o canal de comunicação com os trabalhadores se estabeleceria de forma permanente.?Vamos reivindicar a unificação de direitos, como Planos de Cargos e Salários (PCS), fundos de pensão e assistência médica. Defendemos que valha o mais vantajoso para os trabalhadores, já que algo diferente disso significaria a perda de direitos?, disse Luiz Cláudio Marcolino, presidente do sindicato.O governo do Estado informou que o deputado estadual Davi Zaia (PPS), que é presidente da Federação dos Bancários do Estado de São Paulo (Fetecsp), ligada à central UGT, acompanhou as negociações. Já a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf, ligada à CUT) pretende realizar hoje a primeira reunião pós-aquisição com a diretoria dos bancos. ?Queremos garantir que não haverá demissões ou fechamento de agências para que não haja prejuízo aos trabalhadores ou a sociedade?, diz Carlos Cordeiro, secretário-geral da Contraf. ?Num segundo momento, vamos negociar um equilíbrio entre os planos de cargos e salários dos dois bancos.? A entidade pretende reunir todos os dados sobre cargos e salários ainda hoje para negociar mudanças e quer participar de todo o processo de transição. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.