Bancários rejeitam proposta e ameaçam parar na 3ª

Em reunião realizada hoje, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) rejeitou a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de reajuste salarial para a categoria. A Fenaban ofereceu 8%, com um ganho real de 0,56%. A proposta anterior, que foi rejeitada pelos bancários, era de 7,8%.

WLADIMIR D'ANDRADE, Agencia Estado

23 de setembro de 2011 | 19h04

Esta é a quinta rodada de negociações e até agora o entendimento entre as partes não avançou. O presidente da Contraf, Carlos Cordeiro, disse que, com a rejeição, a categoria deve iniciar uma greve na próxima terça-feira. Os sindicatos devem se reunir com os trabalhadores na segunda-feira para a deliberação.

"As alterações feitas pela Fenaban acabaram frustrando nossas expectativas", disse o presidente da Contraf", Carlos Cordeiro. Segundo ele, os pisos pagos pelos bancos no Brasil chegam a ser menores do que na Argentina. "Por que o Brasil tem que ter um piso inferior ao da América Latina se a maior parte do lucro dos bancos vem daqui?", questionou.

De acordo com Cordeiro, a Fenaban alega que os custos de um reajuste de 12,8% (inflação mais aumento real de 5%, pedido pela Contraf-CUT) seriam muito elevados. "Não tem justificativa. O lucro dos seis maiores bancos cresceu 24% em média nos últimos dois anos e os gastos com custos subiram em média 7%".

Tudo o que sabemos sobre:
greveassembleiabancários

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.