Banco alemão diz que continuará no Brasil

O banco alemão Dresdner informou hoje, através de um comunicado, que continuará as operações no Brasil, restritas, no entanto às áreas de banco comercial, de mercado de capitais e de banco correspondente. O banco tem sido alvo de rumores de que deixaria o País.De acordo com a nota, o Dresdner diz que decidiu atuar com um novo enfoque estratégico no Brasil e anunciou o fechamento do escritório do Dresdner Kleinwort Wasserstein no Rio de Janeiro, responsável por fusões e aquisições, bem como a área de Financial Advisory. Essas áreas passarão a ser atendidas futuramente pelos escritórios do Dresdner em Londres e Nova York."Em virtude das turbulências nos mercados de capitais e das difíceis condições econômicas em alguns países da América Latina, o DBLA criou um programa, ao final de 2002, com vistas a concentrar-se ainda mais em seu core business e em seus clientes-alvo", afirma o comunicado. Segundo a nota, "o país passa a assumir uma condição estratégica após o redirecionamento iniciado no final do ano passado". O comunicado diz ainda que "o Brasil é e permanece um país-chave e uma retirada não faria nenhum sentido". O banco alemão destaca ainda que "ao longo dos mais de 90 anos de presença no Brasil, nunca parou de confiar no potencial deste país".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.