Fábio Motta|Estadão
Fábio Motta|Estadão

Banco alemão questiona balanço da Petrobrás

Cenários do câmbio e da produção mudaram e estatal terá de contabilizar novas perdas, de acordo com o Deutsche Bank

Fernanda Nunes, André Magnabosco, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2015 | 22h02

O Deutsche Bank distribuiu relatório aos clientes, na última segunda-feira, 7, lançando dúvidas sobre a capacidade da Petrobrás de usar exportações futuras, no valor de US$ 21 bilhões, para diminuir os efeitos do câmbio sobre o seu resultado financeiro.

Hoje, a empresa contabiliza essa projeção de a receita em dólar com o que espera vender de petróleo e combustíveis no mercado internacional para amenizar os efeitos da valorização do dólar sobre o real em seu balanço. Mas, segundo o banco, com a retração do preço e da produção interna de petróleo, as exportações devem cair e a Petrobrás já não vai mais poder contar com esse dinheiro para melhorar o perfil do seu caixa. Como consequência, prevê o Deutsche, pode chegar a registrar prejuízo já em 2015 e não pagar dividendos aos acionistas.

A tese é que a Petrobrás conta, em seu balanço financeiro, com uma projeção de receita futura com exportações de US$ 58 bilhões, que deve utilizar como compensação contábil às perdas registradas com a desvalorização do real. A empresa possui alto endividamento em moeda americana e quanto mais dólar tiver em caixa fica menos exposta ao câmbio. Mas, segundo o relatório do Deutsche, esse sistema de contabilidade já não é factível. “Acreditamos que os recentes acontecimentos (retração dos preços e da produção de petróleo e de combustíveis) pode exigir da Petrobrás reavaliar o tamanho da contabilidade de hedge com exportações futuras”, informou o banco, em relatório do analista Alexander Burgansky.

Esse tipo de contabilidade foi adotada pela Petrobrás a partir de julho de 2013. Na época, diz o banco, não chegava a ter impacto relevante no resultado financeiro e nas ações da companhia. Era apenas um mecanismo usado para reduzir a volatilidade cambial nos balanços. “Mas, com o declínio do preço do petróleo e dos resultados financeiros da Petrobrás, cresceu significativamente a exposição da empresa por causa da utilização desse tipo de contabilidade”, diz o texto.

Em nota, a Petrobrás informou que “apesar da queda das cotações do petróleo, a companhia trabalha com margem de segurança confortável para a manutenção da sua contabilidade de hedge, conforme as práticas contábeis vigentes”.

Pelas contas do Deutsche, dos US$ 58 bilhões previstos de contabilidade de hedge, US$ 21 bilhões já não são reais, por causa da mudança de cenário na indústria no mundo. O esperado, segundo o relatório, é que os números sejam revistos no balanço de 2015 ou do ano que vem. O foco de questionamento do banco é como a Petrobrás vai registrar o novo cenário. Dependendo da decisão, a empresa poderá registrar prejuízo no curto prazo ou parcelar as perdas até 2025. Caso reconheça que não pode mais contar com US$ 21 bilhões de receita, como ferramenta de proteção cambial no balanço de 2015, deve registrar prejuízo e deixará de pagar dividendos, segundo o Deutsche. Mas, se optar por manter a contabilidade relativa ao hedge, vai ser obrigada a reclassificar as perdas cambiais e, com isso, atrasar o pagamento de dividendos por ações ordinárias até 2018. A estatal não remunerou os investidores no ano passado.

Mais conteúdo sobre:
Deutsche BankPetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.