Banco central chinês adverte para queda de exportações

Páis é muito dependente da demanda por seus produtos no exterior, diz relatório envidado ao Legislativo

EFE,

26 Outubro 2008 | 10h40

O presidente do Banco Popular da China, a autoridade monetária chinesa, Zhou Xiaochuan, advertiu que o país asiático "é muito dependente da demanda externa", por isso "a redução da exportação em conseqüência da crise global poderia ter um impacto negativo".   Japão aumentará oferta de ajuda para bancos com problemas  Ásia e Europa atingem consenso sobre crise e enaltecem FMI   Segundo a agência oficial Xinhua, o último relatório do organismo, elaborado para a 5ª sessão do Comitê Permanente da Assembléia Nacional do Povo (ANP, legislativo), afirma que a crise financeira mundial acrescenta certa incerteza às perspectivas de crescimento chinês, "embora não venham a freá-lo".   Além disso, acrescentou que o país deve ser cauteloso com os reajustes nas políticas, porque os preços poderiam oscilar com freqüência no futuro.   Segundo a fonte oficial, o banco central fortalecerá o sistema de supervisão e criará programas de emergência para tratar os possíveis efeitos negativos no sistema bancário chinês. Além disso, Zhou disse que sua entidade vigiará de perto o setor imobiliário e melhorará os serviços financeiros neste mercado.   O presidente do Banco Popular da China disse que a instituição manterá estável o câmbio de divisas e deixará o mercado "ter um papel mais importante" na decisão da taxa básica de juros.

Mais conteúdo sobre:
chinacrise global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.