André Dusek / Estadão
André Dusek / Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

BC reduz compulsório e libera R$ 16 bilhões para empréstimos

Parcela do dinheiro que os bancos são obrigados a manter depositada no BC cairá para 31% a partir de julho

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2019 | 20h29

BRASÍLIA - O Banco Central anunciou nesta quarta-feira, 26, que reduziu a alíquota do compulsório sobre recursos a prazo em dois pontos porcentuais, de 33% para 31%. A medida, segundo o BC, vai liberar R$ 16,1 bilhões no sistema financeiro, que podem ser usados nas operações de crédito.

Os compulsórios correspondem a uma parcela de depósitos que os bancos precisam manter no BC obrigatoriamente. São usados para regular a quantidade de dinheiro disponível e ajudar no controle da inflação. O estoque de depósitos compulsórios está em R$ 452 bilhões, sendo R$ 248 bilhões de recolhimento sobre recursos a prazo.

A redução e a simplificação dos compulsórios para diminuir os custos para o sistema financeiro faz parte da agenda de medidas estruturais do BC. A última vez que a autoridade reguladora anunciou mudanças no recolhimento dos compulsórios foi em novembro do ano passado. À época, as alíquotas sobre recursos a prazo caíram de 34% para 33% e sobre recursos à vista de 25% para 21%. Com a mudança de novembro, o BC calculou liberação de R$ 2,7 bilhões.

Em nota, o BC informou que a mudança entrará em vigor em 1.º de julho, com efeitos financeiros a partir de 15 de julho. “A alteração aproxima mais a alíquota dessa modalidade de recolhimento aos níveis históricos praticados nos anos anteriores à crise de 2008”, acrescentou o BC.

Para o economista da Órama Investimentos e professor do Ibmec, Alexandre Espírito Santo, com a medida, o BC dá sinais ao mercado enquanto não reduz os juros básicos da economia (Selic), à espera da reforma da Previdência. “O BC está dando sinais de uma forma bastante ampla, um leque. A política monetária tem instrumentos, o compulsório é um deles. Está ficando cada vez mais claro que todos os canais de política monetária estão estimulativos.”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.