André Dusek/ Estadão
André Dusek/ Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Banco Central determina que bancos ajustem horário de atendimento durante pandemia

Bancos devem informar seus clientes sobre os novos horários de funcionamento das agências

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 16h24

BRASÍLIA - O Banco Central determinou na tarde desta quinta-feira, 19, que os bancos ajustem seus horários de atendimento ao público nas agências enquanto durarem os efeitos da pandemia do novo coronavírus no País.

“O BC recomenda fortemente que os clientes de produtos e serviços bancários utilizem preferencialmente os diferentes canais digitais disponíveis, como internet banking e aplicativos para smartfones e, se necessário, recorram aos caixas eletrônicos”, enfatizou a autoridade monetária, em nota. 

Segundo o BC, é preferível que a sociedade recorra às agências bancárias para apenas realizar transações essenciais, como saque de dinheiro, pagamento de contas ou transferência de recursos. 

“O BC, em conjunto com as instituições financeiras, está trabalhando em planos de contingência para facilitar que todos os serviços essenciais sejam prestados à sociedade”, completa o documento.  

A autoridade monetária determinou ainda que os bancos informem seus clientes sobre os novos horários de funcionamento das suas agências. Outras medidas emergenciais também devem ser tomadas para evitar aglomerações de pessoas, sempre assegurando a prestação de serviços essenciais.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) garantiu que as agências em todo o Brasil permanecerão abertas, com prioridade para o atendimento do público mais vulnerável, como aposentados e pensionistas. 

“Cumprindo orientação do Banco Central para enfrentar as dificuldades trazidas pela pandemia de coronavírus, os bancos deverão, pontualmente e por períodos limitados de tempo, alterar horários de atendimento ou suspender serviços em agências selecionadas. Os clientes serão informados adequadamente pelos canais de comunicação de cada banco. O setor se compromete a assegurar a prestação de serviços essenciais”, acrescentou a Febraban, em nota. 

Da mesma forma que o BC, a entidade que representa os maiores bancos do País “recomenda enfaticamente” que os clientes evitem ir às agências e deem preferência aos produtos e serviços por meio dos canais remotos disponíveis. 

“Por meio do celular e internet, os usuários podem fazer, com segurança, pagamento de contas, consulta de saldos e extratos, transferências financeiras, agendamento de pagamentos e contratação de serviços e empréstimos, entre outros. Nos aplicativos e Internet Banking, os clientes poderão encontrar ferramentas úteis para todas as necessidades, além de ter acesso a comunicados e canais de atendimento. Os canais de atendimento por telefone também estão funcionando normalmente”, completou a Febraban. 

A entidade lembra ainda que, em caso de urgência e necessidade, a rede de autoatendimento (ATMs) do País conta com 170 mil terminais para saques e depósitos. Segundo a Febraban, foi intensificada a higienização desses terminais, seguindo os protocolos de higienização das instalações bancárias.

Já o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), se antecipou ao BC e publicou ainda na noite de ontem (18), um decreto proibindo o atendimento ao público em todas as agências bancárias do Distrito Federal, o que vale para instituições públicas e privadas.

O decreto abre exceção para atendimentos diretamente ligados aos programas bancários "destinados a aliviar as consequências econômicas do novo coronavírus bem como os atendimentos de pessoas com doenças graves".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.