Banco Central do Japão decide flexibilizar política monetária

O Banco Central do Japão, preocupado com a saúde do sistema financeiro e com os preços das ações, flexibilizou sua política monetária por meio da ampliação do montante de compra de títulos do governo. Em reunião realizada nesta quinta-feira, o conselho de política monetária do BOJ (na sigla em inglês) votou pela elevação em 25%, para 1 trilhão de ienes, o volume de títulos a serem adquiridos pelo BC. O conselho pediu também que o governo apresse a introdução das reformas estruturais. As taxas de juro do Japão já estão em níveis de praticamente zero. O BOJ informou também que estudará a flexibilização das regras para suas operações de provisionamento de fundos e que suspendeu o limite de cinco dias para a linha de crédito de emergência Lombarda, para proteger as instituições financeiras de eventual falta de crédito durante o período de fechamento de balanços e carteiras do fim do ano, o qual termina em 31 de março. "Decidimos sobre as mudanças de política hoje com base em nossa visão sobre o sistema financeiro, em grande parte por conta de preocupações com a demanda por liquidez antes do fechamento do ano fiscal, em março", disse o presidente do BC, Masaru Hayami, em entrevista após a reunião. Analistas dizem que as medidas monetárias terão, entretanto, pouco impacto sobre a economia. "Na média, o BC está ampliando a margem novamente e o mercado não esperava nada além disso, após o desapontador pacote anunciado pelo governo ontem", disse um analista. Circularam opiniões de que as medidas do BC tiveram apenas a preocupação de atender pressões políticas do governo. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.