Reuters
Reuters

Banco Central do Japão levanta quase US$ 1,5 bilhão do Federal Reserve

As mesmas operações em semanas anteriores tinham atraído cada uma apenas cerca de US$ 1 milhão e US$ 2 milhões

O Estado de S.Paulo

28 Junho 2016 | 15h23

TÓQUIO - O Banco Central do Japão (BoJ, na sigla em inglês) irá levantar quase US$ 1,5 bilhão do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) para emprestar para bancos nacionais, o maior valor em um ano e meio, uma vez que a turbulência financeira causada pelo Brexit aumentou a demanda pela moeda mais popular do mundo.

A operação de oferta de dólar do Banco do Japão nesta terça-feira foi a primeira desde que o Reino Unido votou na semana passada para deixar a União Europeia, uma decisão que levou grandes oscilações nos mercados financeiros globais.

As empresas financeiras que participam no leilão uma vez por semana pediram US$ 1,48 bilhão no total, o maior montante desde 24 de dezembro de 2014, de acordo com o banco central. O BoJ levantará os dólares através de uma operação de swap com o Fed e entregá-los às empresas na quinta-feira, disse uma autoridade do BoJ.

Apesar de alto, o valor da demanda ainda está longe dos níveis observados na sequência da falência do Lehman Brothers em setembro de 2008, sugerindo que os mercados não chegaram a uma fase de crise.

A última soma é comparada com os valores entre US$ 15 bilhões e US$ 50 bilhões fornecidos pelo BoJ em cada operação entre setembro e dezembro de 2008.

Os bancos japoneses normalmente pedem este tipo de operação ao BoJ quando eles têm problemas para levantar seus próprios dólares. As mesmas operações em semanas anteriores tinha atraído cada uma apenas cerca de US$ 1 milhão e US$ 2 milhões em pedidos de empresas financeiras.

Os bancos japoneses têm se expandido agressivamente em investimentos em moeda estrangeira e empréstimos nos últimos anos em busca de melhores opostos, uma estratégia que tornou o acesso constante ao dólar crucial para eles. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
BrexitEconomia Internacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.