Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Banco central do Japão mantém juro básico em 0,1%

O comitê de política monetária do Banco do Japão (BOJ, banco central do país) manteve inalterada sua taxa básica de juros em 0,1%, tendo em vista que a demanda doméstica permanece fraca por causa da deterioração do mercado de trabalho e da escassez de investimentos das empresas. A última vez que o comitê alterou a taxa foi em dezembro do ano passado, quando houve uma redução de 20 pontos-base. Pelo segundo mês consecutivo, o banco revisou para cima sua avaliação econômica, dizendo que "a economia do Japão começou a se levantar". No mês passado, o banco havia afirmado que a economia estava "mostrando sinais de recuperação".

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

14 de outubro de 2009 | 07h46

Na entrevista que se seguiu à decisão, o presidente do BOJ, Masaaki Shirakawa, disse que as "condições de emissão de bônus corporativos estão melhorando" e que "o papel da política do BOJ para a compra de dívida corporativa está se atenuando". O mercado aguardava o comunicado do BOJ para saber se a instituição mencionaria o encerramento do programa de compra de bônus corporativos e commercial papers. O comunicado, porém, não fez qualquer menção ao programa, cujo encerramento está previsto para 31 de dezembro. A compra de dívida das empresas faz parte das medidas com que o BOJ vem enfrentando a crise financeira global.

Embora o comunicado do BOJ não tenha citado o encerramento do programa, as declarações de Shirakawa sobre o assunto indicam que o banco central está disposto a terminá-lo no curto prazo. O presidente do BOJ acrescentou, contudo, que a prioridade da instituição ainda é estimular a economia. Shirakawa afirmou que o banco central mantém pacientemente uma política de acomodação e de fornecimento de suficiente liquidez aos mercados. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãojuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.