Banco Central está cuidando da inflação, diz Meirelles

O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, disse hoje que a instituição está olhando com cuidado os índices de inflação. "Estamos tomando as medidas necessárias para que a inflação convirja para a meta", afirmou. Meirelles fez esta declaração ao chegar à sede do Federal Reserve em Nova York para reunião com investidores. Indagado sobre se os últimos números de inflação, que ficaram acima das previsões, o deixaram preocupado, ele reiterou que a atitude do BC é de serenidade, de determinação e de paciência.Meirelles disse que há espaço para uma queda maior da taxa de risco Brasil. "O risco Brasil já esteve em 2.400 pontos base e hoje está ao redor de 900. E vai continuar caindo. O espaço de melhora do risco Brasil é muito grande, mas acontecerá de forma gradual", afirmou. Segundo ele, a queda dos spreads dos títulos da dívida é resultado do trabalho feito pelo governo brasileiro, refletindo os avanços das reformas tributária e da previdência e da autonomia do Banco Central."Tudo isso vai mostrar mais resultados ainda, mas temos que olhar para a questão do risco Brasil em um prazo maior de tempo. Não quer dizer que vá cair amanhã ou na semana que vem. Mas vai cair", afirmou. Em relação a uma possível emissão soberana brasileira, ele disse que o Banco Central continua olhando o mercado. "O País tem que ter uma atitude consistente e não ficar simplesmente apostando em determinadas circunstâncias de mercado. Temos um programa e vamos seguí-lo consistentemente."Meirelles afirmou também que as linhas comerciais de bancos internacionais para o Brasil estão voltando. Segundo ele, a rolagem já está acima de 100%, variando um pouco semana a semana. "Tem muita coisa para melhorar ainda porque não depende só do Brasil. Essa é uma questão do sistema financeiro internacional, incluindo aí a situação do mercado corporativo norte-americano, a situação dos bancos alemães e dos japoneses. Existe um movimento gradual de recuperação de liquidez dos bancos comerciais internacionais e isso terá reflexos para o Brasil", disse. Para ele, como o Brasil está fazendo seu dever de casa, no momento em que o mercado melhorar o País deverá aproveitar o aumento da liquidez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.