Banco Central Europeu reduz taxa de juro para 2%

Decisão era amplamente esperada pelo mercado; taxa da zona do euro já caiu 2,25 pontos desde outubro

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

15 de janeiro de 2009 | 11h00

O Banco Central Europeu (BCE) cortou nesta quinta-feira, 15, a taxa básica de juros da zona do euro em 0,50 ponto porcentual para 2,00%, em decisão amplamente esperada pelo mercado. Em entrevista após a decisão, o presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, afirmou que a pressão inflacionária está diminuindo rapidamente entre as economias da zona do euro, mas o risco para a estabilidade dos preços permanece equilibrado.    Veja também:   De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  O Banco Central Europeu (BCE) cortou nesta quinta-feira, 15, a taxa básica de juros da zona do euro em 0,50 ponto porcentual para 2,00%, em decisão amplamente esperada pelo mercado.   O BCE vai "monitorar muito de perto" o desenvolvimento dos preços nos países da zona do euro, disse Trichet, acrescentando que o banco espera uma estabilidade de preços no médio prazo.  Dados finais divulgados pela agência de estatísticas Eurostat mais cedo mostraram que a inflação subiu 1,6% em dezembro ante dezembro do ano anterior, abaixo da alta de 2,1% registrada em novembro. O BCE tem como meta uma inflação pouco abaixo de 2,0% no médio prazo. A redução da taxa de inflação permitiu que o BCE reduzisse nos últimos meses a taxa de juro desde os 4,25% no começo de outubro, um ritmo de cortes sem precedentes, observou Carsten Brzeski, economista do ING. "O BCE está aparentemente disposto a fazer tudo o que for necessário para ficar à frente da curva", afirmou. Trichet disse que alguns dos riscos de retração da economia se materializaram e que os dados sobre a oferta de dinheiro, que o BCE acompanha de perto, mostram que a expansão monetária está mais moderada e que o crédito para as famílias está ficando mais restrito. O presidente do BCE disse ainda que, apesar da expectativa de um período prolongado de pressão sobre a demanda, o BCE vê o risco de inflação como amplamente equilibrado depois do corte da taxa de juro promovido nesta quinta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraJurosUnião Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.