REUTERS/Ralph Orlowski
REUTERS/Ralph Orlowski

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Banco Central Europeu vai estender programa de estímulos até 2017

Mario Draghi anunciou que, se necessário, compras de bônus mensais irão até 2017 ou além

Matheus Maderal, O Estado de S. Paulo

03 de dezembro de 2015 | 12h21

SÃO PAULO - Após a reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), o presidente da instituição, Mario Draghi, anunciou que as "compras de bônus mensais irão até março de 2017, ou além, se necessário", referindo-se ao programa de relaxamento quantitativo do bloco. Antes, o programa de estímulos acabaria em setembro de 2016. O BCE também anunciou um corte na taxa de juros de depósitos de -0,20% para -0,30%.

O pacote de medidas anunciado hoje inclui o reinvestimento do principal dos títulos adquiridos por meio de seu programa de recompra de ativos conforme eles vençam, pelo tempo que for necessário.

Segundo a instituição, isso irá contribuir para a liquidez do mercado e para a "postura apropriada de política monetária". Os detalhes técnicos sobre as transações, segundo o BCE, serão comunicados em seu devido tempo.

"Não excluímos o uso de outros instrumentos se decidirmos que é necessário", declarou Draghi. "Podemos sempre ajustar nossas medidas de política monetária", acrescentou.

Segundo o dirigente, a maior preocupação continua sendo a baixa inflação no bloco monetário. "Os indicadores econômicos recentes mostraram necessidade de mais estímulos para levar inflação à meta de quase 2%", disse. Pressionado sobre a eficiência das medidas que vêm sendo tomadas, Draghi respondeu que o BCE está "fazendo mais porque isso funciona, não porque as medidas fracassaram".

A autoridade monetária também decidiu incluir no programa bônus de governos regionais e alegou que o programa "fornece flexibilidade suficiente". Draghi ainda afirmou que o BCE conduziu "uma avaliação ampla dos fatores que desaceleram a inflação" na zona do euro e disse esperar "que a recuperação econômica prossiga adiante".

Para Draghi, os "baixos preços do petróleo devem dar suporte para as famílias e, assim, para o consumo". 

Projeções. Mario Draghi divulgou projeções atualizadas da instituição para o crescimento econômico e a inflação na zona do euro. O BCE prevê agora alta de 1,5% no Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro em 2015, acima do avanço de 1,4% calculado na previsão de setembro.

Para 2016, a previsão de avanço do PIB foi mantida em 1,7%. Já em relação a 2017 ela foi elevada, de 1,8% calculado em setembro para 1,9%.

A previsão para o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro foi mantida em 0,1% para 2015. Em 2016, o BCE prevê que o CPI fique em 1,0%, não mais em 1,1%, e em 2017 ele deve atingir 1,6%, não 1,7% como esperado em setembro. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
banco central europeu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.