finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Banco Central insinua que alta dos juros continuará

O Banco Central ainda não conclui o processo de alta da taxa de juros iniciado em setembro, mas o "cenário benigno começa a se delinear". É o que revela a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que elevou para 18,75% a taxa Selic. Para os diretores do BC, última elevação dos juros em 0,50 ponto porcentual traz a taxa de juros básica para o "nível próximo ao que promoverá a convergência da inflação para a trajetória das metas". Para 2005, a meta é de 5,1%.Segundo os membros do Copom, a elevação da Selic terá que ser mantida por um período longo para trazer a inflação para a meta desejada. "Esse ajuste, seguido de um período suficientemente longo de manutenção dos juros, deverá ser suficiente para trazer a trajetória futura da inflação para um objetivo estabelecido para a atuação da política monetária", afirma a ata. O Comitê alerta ainda que o aumento dos gastos públicos afeta a inflação e prejudica a queda dos juros. "É inegável que reduções nos gastos públicos reforçam a ação da política monetária no controle da inflação e que o aprofundamento no processo de melhora nas contas públicas abre ainda mais espaço para a redução das taxas de juros reais da economia no médio prazo", advertem os diretores do Banco Central.

Agencia Estado,

24 de fevereiro de 2005 | 09h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.