Banco Central já estuda liberar contas em dólar no País

Números exuberantes da entrada de dólares no Brasil aceleram os planos de mexer na legislação cambial

Agência Estado,

05 de novembro de 2009 | 08h21

Os números exuberantes da entrada de dólares no Brasil aceleram os planos do Banco Central de mexer na legislação cambial. A intenção é tirar amarras existentes há décadas e, assim, acelerar a liberalização do mercado por meio de medidas como permitir o investimento de fundos de investimento no exterior ou até mesmo a abertura de contas em dólares no País.

 

Veja também:

link Entrada de dólares no País cai 75% com novo imposto

linkTaxa de equilíbrio no câmbio é R$ 2,10, afirma Barbosa

Os estudos do BC não têm prazo para serem concluídos. E, de acordo com fontes da instituição, o efeito das medidas que vierem a ser adotadas seria gradual. A consequência de boa parte delas seria aumentar a demanda por dólares, o que permitiria, na outra ponta, que a valorização do real fosse amenizada. Um dos alvos dessa mudança é a indústria de fundos. Estuda-se permitir que fundos de investimento de varejo possam investir no exterior. A medida permitiria que parte dos R$ 1,3 trilhão de patrimônio desses fundos fosse aplicada em outros países.

Algumas medidas nessa direção já foram tomadas. Em 2008, fundos exclusivos - com investimento mínimo de R$ 1 milhão - ganharam a possibilidade de aplicar até 100% dos ativos no exterior. Em setembro passado, fundos de pensão ganharam autorização para alocar até 10% da carteira em outros mercados. A mudança nas regras dos fundos de investimento é considerada de execução menos complicada e, por isso, poderá ser uma das primeiras a sair. A intenção é permitir um porcentual baixo no início. Com o passar do tempo e após avaliação da medida, o valor poderia ser ampliado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
dólartaxaçãoBC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.