Banco Central nega que mudou atuação no câmbio

A política cambial executada pelo Banco Central (BC) continua exatamente a mesma e não é inflacionária, disse à Agência Estado uma fonte da autoridade monetária. A afirmação é uma resposta às suspeitas que começam a surgir no mercado de que o BC estaria mudando a estratégia de atuação no câmbio.

FABIO GRANER, Agencia Estado

30 Janeiro 2010 | 07h30

Do início do ano até 22 de janeiro, o BC comprou bem mais dólares (US$ 1,7 bilhão) do que o volume líquido de moeda estrangeira que ingressou na economia (US$ 10 milhões). As compras teriam influenciado a alta do dólar, adicionando risco à inflação de 2010.

"Não há nenhuma mudança de política. O câmbio flutua de acordo com a oferta e a demanda, e o BC busca adquirir o fluxo excedente", disse. A fonte destaca que esse objetivo tem de ser olhado dentro de uma estratégia de longo prazo. "Dependendo do momento em que se faz a fotografia, o BC pode estar acima do fluxo, como agora, em janeiro, ou pode estar atrasado. Mas, no horizonte de longo prazo, a política é adquirir o fluxo excedente", explicou.

Para o BC, a política de fazer com que as reservas internacionais continuem crescendo em conformidade com o fluxo cambial está adequada e não representa fator de pressão nos índices de preços, pois não muda a trajetória do dólar. Para reforçar o argumento de que a política é a mesma, a fonte lembrou que, em 2009, entraram US$ 29 bilhões no País, e o BC comprou US$ 24,5 bilhões, ou seja, menos que o fluxo, o que está sendo parcialmente recuperado em janeiro.

Mais conteúdo sobre:
dólar, câmbio, BC

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.