Andrew Kelly/Reuters
Andrew Kelly/Reuters

Erros dos BCs americano e europeu tornam difícil evitar uma recessão

Como o Fed e o BCE querem reduzir a inflação, o ciclo de aperto monetário será mais intenso e longo do que o mercado espera

Paulo Leme, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2022 | 05h00

A Ursa Menor é a constelação que contém Polaris, a estrela-guia mais importante dos navegantes do Hemisfério Norte, e também um míssil nuclear americano.

No Brasil, não podemos ver a Ursa Menor, mas, em maio passado, sentimos em cheio o seu impacto, porque os índices S&P500 e Nasdaq caíram 21% e 32% das máximas registradas em novembro de 2021. O VIX (sigla em inglês para o índice de volatilidade da Bolsa) quase dobrou para 35%. Quando o S&P500 cai mais de 20%, os investidores consideram que entramos em um bear market. 

Desde a II Guerra Mundial, a mediana da queda do S&P500 durante bear markets é de 24%. Então, a dúvida é se este mercado será uma Ursa Menor (queda próxima da mediana) ou uma Ursa Maior (queda próxima a 50%). 

A boa notícia é que as condições econômicas globais apontam mais para a Ursa Menor do que para a Maior. A razão é simples: as maiores quedas da Bolsa estão associadas ou a crises financeiras (crise do Lehman Brothers, em 2008) ou a um grande choque econômico (covid-19, em 2020). Hoje, a situação patrimonial das famílias, das empresas e do sistema financeiro nos Estados Unidos é muito mais sólida do que era antes do derretimento do sistema financeiro mundial em 2008. 

A má notícia é que, depois dos grandes excessos e erros de condução da política monetária realizados pelos bancos centrais americano e europeu, será difícil evitar uma recessão e um bear market. Alguns marinheiros de primeira viagem, que não sabem o que é inflação, apostam que será fácil para o Fed e o BCE reduzir a inflação para 2% e evitar uma recessão. Os otimistas apostam que, no pior dos casos, o PIB mundial cairá ligeiramente abaixo do seu potencial por 6 meses, e as condições técnicas de um mercado vendido nos levarão de volta à constelação de Taurus, ou bull market

Infelizmente, os taurinos estão equivocados: a taxa de juros só pode cumprir um objetivo. Se ela for usada para reduzir a inflação, isto será às custas de uma recessão e do desemprego. Como o Fed e o BCE querem reduzir a inflação, o ciclo de aperto monetário será mais intenso e longo do que o mercado espera. A alternativa seria um ciclo de aperto monetário suave, o que poderia temporariamente evitar uma recessão, mas isto seria às custas da inflação. 

Um banco central sério sabe que, quanto menos fizer hoje, maior será o custo (em termos de atividade e emprego) no futuro. Portanto, teremos mais maldades monetárias pela frente, o que nos levará a uma recessão relativamente breve e branda e à Ursa Menor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.