Infográfico/AE
Infográfico/AE

Banco Central projeta déficit externo de US$ 60 bilhões no ano que vem

Déficit da conta corrente, que registra transações de bens e serviços com o exterior, equivalerá a 2,78% do PIB e será o mais alto desde 2001

Fabio Graner, Fernando Nakagawa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2010 | 00h00

O Banco Central prevê que a piora da conta corrente brasileira - que registra todas as transações de bens e serviços com o exterior - vai continuar em 2011. A instituição prevê que o rombo atingirá US$ 60 bilhões no ano que vem, o que, se confirmado, será o pior resultado em termos nominais da história.

Em relação ao tamanho da economia, o déficit previsto pelo BC é de 2,78% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2011. Se confirmado, será o mais alto desde 2001. Para 2010, o BC projeta déficit em conta corrente de US$ 49 bilhões (ou 2,49% do PIB).

A composição do déficit em conta corrente de 2011 é determinada principalmente pelo saldo negativo na conta de serviços e rendas - onde estão itens importantes como remessas de lucros e viagens internacionais. O BC projeta saldo negativo em serviços e rendas de US$ 75 bilhões em 2011, parcialmente amenizado pelo superávit comercial de US$ 11 bilhões e transferências líquidas de não residentes para o Brasil de US$ 4 bilhões.

Apesar de trabalhar com um cenário de déficit maior, o BC prevê uma melhor qualidade de financiamento das contas externas em 2011. A estimativa mais pessimista para a conta corrente foi acompanhada de uma previsão bem mais otimista para o fluxo de Investimento Estrangeiro Direto (IED, voltado para a produção) ao Brasil. A expectativa é que os investimentos externos em produção somem US$ 45 bilhões em 2011, o correspondente a 2,08% do PIB. Para 2010, o BC prevê US$ 30 bilhões - projeção 21% menor do que a anterior.

Cenário pior. Com isso, o BC prevê que os investimentos produtivos, recursos que têm um perfil de longo prazo e não saem a qualquer momento do País, vão cobrir 75% do déficit externo esperado para o ano que vem. O resto será compensado com folga pelos demais capitais que entrarão no Brasil, como aplicações em ações, renda fixa e empréstimos. Essa sobra acabará engordando o saldo das reservas internacionais brasileiras. Em 2010, considerando os números projetados pelo BC, o IED vai cobrir apenas 61,2% do déficit em conta corrente.

Olhando-se para os dados em relação ao tamanho da economia - que é a melhor forma de comparação, já que o valor nominal do déficit externo tende naturalmente a ser maior ao longo do tempo - essa análise se mantém.

A diferença entre o déficit em conta corrente e o IED, que terá de ser coberta por outras fontes de dólares, será de 0,7 ponto porcentual do PIB em 2011, pelo cenário do BC. Já as estimativas para 2010 mostram um cenário pior, com o IED deixando sem cobertura 0,96 ponto do PIB. Ou seja, as demais fontes de dólares - como os investimentos financeiros - terão papel mais relevante para fechar as contas neste ano do que em 2011.

O quadro esperado para o fechamento de 2010 é muito semelhante aos números atuais. Nos 12 meses encerrados em agosto, o déficit em conta corrente foi de 2,32% do PIB (US$ 45,81 bilhões), enquanto o IED foi de 1,38% do PIB (US$ 27,22 bilhões), o que representa uma diferença de 0,94 ponto do PIB.

Mais pessimista que o BC, o professor de economia da USP Fabio Kanczuk prevê que o rombo das contas externas deve atingir US$ 80 bilhões em 2011. Para ele, a continuidade do crescimento econômico vai acelerar a deterioração das contas já vista em 2010. "Como estamos em um regime de câmbio flutuante, essa piora vai acabar afetando as cotações do real, que vai se desvalorizar em algum momento. Quando isso acontecer, as contas vão acabar se equilibrando", diz, ao lembrar que o real mais fraco favorece exportações e encarece a compra de importados e viagens internacionais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.