Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Banco Central vê acomodação no mercado de trabalho

O Banco Central publicou um boxe em seu Relatório Trimestral de Inflação sobre a evolução recente do mercado de trabalho e a segmentação do conjunto de desempregados. Conforme o documento, é plausível afirmar que há uma acomodação no mercado de trabalho. "As evidências apresentadas indicam o subconjunto de recém desempregados como mais sensível a choques desfavoráveis na demanda por mão de obra. Além disso, também sugerem, na margem, acomodação no mercado de trabalho", trouxe o boxe intitulado "Indicadores Alternativos do Mercado de Trabalho: uma análise do subgrupo dos recém-desempregados".

ADRIANA FERNANDES, CÉLIA FROUFE E RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

30 de setembro de 2013 | 11h28

O BC enfatizou que o aquecimento do mercado de trabalho no recente ciclo de expansão da economia brasileira caracterizou-se pelo recuo da taxa de desemprego (TD). "Essa tendência foi mantida em 2011 e 2012, não obstante a desaceleração da atividade. O aumento da TD na comparação interanual, observado em junho e julho de 2013, e a evolução de outros indicadores, sugere, entretanto, acomodação no mercado de trabalho."

Para a autoridade monetária, embora a TD seja indicador-chave para a avaliação do mercado de trabalho, é importante ampliar o conjunto de informação para tornar a análise desse mercado mais abrangente. Por isso, os técnicos do BC dividiram o conjunto de desempregados em três subconjuntos: recém-desempregados (desempregados há menos de um ano), desempregados há mais de um ano e desempregados que nunca trabalharam e buscam o primeiro emprego.

A conclusão do estudo é a de que a análise do grupo de recém-desempregados permite que se identifique mais rapidamente o eventual deslocamento da curva de demanda por trabalho e, em consequência, favorece o diagnóstico tempestivo das condições de mercado.

Tudo o que sabemos sobre:
relatório de inflaçãoBCtrabalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.