Banco de Santa Catarina tem preço mínimo de R$ 398 milhões

O leilão de privatização do Banco do Estado de Santa Catarina (Besc), que está sob controle do governo federal, deverá ocorrer no dia 16 de dezembro na Bolsa de Valores de São Paulo, de acordo com o edital de venda publicado hoje no Diário Oficial da União. O preço mínimo de venda das ações do Besc pertencentes à União será de R$ 398,175 milhões e o preço mínimo de alienação das ações da Besc Crédito Imobiliário (Bescr) será de R$ 149,967 milhões. Estão na disputa pelo controle do Besc e da Bescr o Bradesco, o Itaú, o Unibanco e o ABN-Amro.Nos últimos dias, a equipe econômica tem publicado vários atos para a venda dos bancos estaduais. A intenção é leiloar todos os bancos estaduais que estão sob sua administração ainda este ano. No acordo com o FMI, há um compromisso genérico com relação aos ex-bancos estaduais. O texto estabelece como objetivo, empreender, até dezembro deste ano, "progressos adicionais com relação aos leilões dos quatro bancos estaduais federalizados restantes."Na quarta-feira, o Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou em R$ 38,322 milhões o preço mínimo de venda das ações do Banco do Estado do Piauí (Bep) que pertencem à União. Para a venda de ações aos empregados da instituição, o Banco Central espera arrecadar mais R$ 2,017 milhões. A data do leilão do Bep ainda será fixada em edital a ser publicado. O Bradesco e o Itaú são os dois bancos já pré-qualificados a participarem da disputa.No dia 15 de outubro o BC decidiu adiar, de 31 de outubro para 3 de dezembro deste ano, o leilão de privatização do Banco do Estado do Maranhão (Bem). Em setembro, o governo já havia decidido adiar para 12 de novembro a privatização do Banco do Estado do Ceará (Bec), inicialmente marcada para 3 de outubro, e reduzir o preço de venda de R$ 344 milhões para R$ 268 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.