Banco do Brasil entra no mercado de consórcios

O Banco do Brasil entrou no mercado de consórcio. Em qualquer terminal de atendimento ou via Internet, os clientes do BB poderão aderir ao consórcio nas modalidades de automóveis, eletrodomésticos, caminhão, tratores, máquinas e implementos agrícolas.Em entrevista à jornalista Vânia Cristino, o vice-presidente da área de varejo do BB, Edson Machado Monteiro, disse que o banco espera chegar a ter 20% do mercado nos próximos cinco anos. A meta para os primeiros 12 meses é vender 120 mil cotas, chegando assim a 5% do mercado.O BB Consórcio pretende oferecer taxas de administração competitivas em relação aos seus principais concorrentes. Para o segmento de veículos, por exemplo, as taxas variam entre 10% e 12% enquanto as do mercado estão entre 11% e 16%.Já para os eletroeletrônicos, a taxa do BB consórcio é de 15% e as do mercado variam entre 16% e 26%. Na modalidade de eletroeletrônicos, o BB vai oferecer planos de 24 meses. No consórcio de veículos, os grupos vão ter prazo de 36 e 60 meses. No de caminhão e demais máquinas agrícolas, serão 84 meses.Características dos consórciosO consórcio com muita freqüência é analisado como alternativa de crédito. Mas, rigorosamente, não pode ser comparado. Consórcio tem toda a cara de crédito, mas não é. Acontece que uma operação de crédito exige que o beneficiário comece a usufruir imediatamente desta operação, seja pegando dinheiro vivo, para gastar em algo que queira, seja na compra de um bem ou serviço a prazo. A pessoa está antecipando o usufruto de um bem ou serviço, e em troca paga uma taxa de juros.No consórcio, a operação é diferente. Uma administradora reúne pessoas que tenham objetivos semelhantes, como comprar um carro. Estas pessoas contribuem mensalmente para um fundo que é usado para comprar o bem para um ou mais consorciados naquele período. Assim, aos poucos, todos vão recebendo seu bem. O detalhe é que o consorciado pode receber este bem no primeiro mês ou no último, sendo que começou a pagar junto com todos.Outro equívoco comum é comparar o custo do consórcio com o custo do crédito. Juro é a remuneração paga por quem está usufruindo um benefício antecipado. No consórcio, a taxa de administração é o valor pago para a administradora gerenciar o processo e assumir os riscos do negócio.A administradora não antecipa dinheiro algum. Quem antecipa são os consorciados, que aceitam as regras do jogo, e não estão recebendo qualquer remuneração pelo dinheiro que foi usado na compra dos bens. Por isso fica equivocado comparar taxa de administração com juros de financiamento. Veja mais informações sobre os consórcios no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.