Banco do Brasil quer mais clientes investindo na bolsa

Banco lançou novos produtos com o objetivo de trazer um público novo para este mercado

Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado,

12 de dezembro de 2011 | 11h35

SÃO PAULO - O Banco do Brasil quer aumentar sua base de clientes que aplica em ações. Hoje, o banco lançou seu novo home broker e um simulador de investimentos em renda variável. "Queremos reduzir o medo que as pessoas ainda têm de aplicar na bolsa e trazer um público novo para este mercado", disse o diretor de mercado de capitais e investimento do BB, José Maurício Pereira Coelho.

O BB tem 600 mil pessoas cadastradas no home broker, das quais 250 mil tem ações e 50 mil operam mensalmente comprando e vendendo papéis. De janeiro a novembro foram feitas 801 mil transações pelo sistema, movimentando um volume de R$ 17,9 bilhões. O executivo reconhece que esses números são muito pequenos perto dos milhões de clientes pessoas físicas que o banco tem, por isso as ações para trazer novos investidores.

No home broker, a página foi redesenhada para ficar mais acessível e será possível ter todas as informações de negociações em uma mesma tela. A nova plataforma permite também a negociação por meio de tablets.

Apesar do ano ruim para a bolsa, marcado por alta volatilidade dos papéis em meio à crise na Europa, Pereira destaca que houve crescimento de 10% nas pessoas físicas do banco quem investem em ações. Para 2012, o executivo espera um ano menos volátil para o mercado acionário. 

Banco vê recuperação no mercado de ações

Depois de um ano marcado por forte volatilidade no mercado acionário, 2012 promete ser um ano de recuperação para a bolsa, avalia o diretor de mercado do Banco do Brasil. O executivo prevê o aparecimento de uma janela de oportunidades e, com isso, a retomada de aberturas de capital que estão represados desde meados de 2011.

Para ele, a redução da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), de 2% para zero, é um primeiro passo para atrair investidores estrangeiros para a bolsa, responsáveis por comprar a maior parte dos papéis em aberturas de capital. Números da BM&FBovespa indicam que há entre 40 e 45 empresas interessadas em abrir capital e que ainda não o fizeram por conta das condições ruins de mercado.

O executivo do BB avalia que o mercado ainda deve continuar volátil em 2012, mas em ritmo menor que neste ano, quando os preços oscilaram muito por conta da piora da crise na Europa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.