Banco do Chile multado por irregularidades de Pinochet

O Banco do Chile pagará multa de US$ 3 milhões a autoridades monetárias dos Estados Unidos, por irregularidades na transferência de fundos do Banco Riggs à entidade chilena praticadas pelo ex-ditador Augusto Pinochet. "O banco (chileno) assumiu total responsabilidade pelas insuficiências operacionais detectadas em suas filiais nos Estados Unidos", disse Pablo Granifo, gerente geral do Banco do Chile, o segundo mais importante do país, em comunicado.O pagamento corresponde a "infrações de sigilo bancário, lavagem de dinheiro e obrigações de reportar operações suspeitas". A multa será depositada no Departamento de Controle de Moedas (OCC, na sigla em inglês) e no Banco do Federal Reserve (Fed, banco central americano) de Atlanta, Estados Unidos.Ambas as instituições iniciaram em janeiro deste ano uma investigação nas filiais do Banco do Chile em Miami e Nova York, após detectar indícios de que essas agências haviam ocultado fundos milionários de Pinochet, de sua família e de colaboradores.A investigação do Senado dos EUA, que revelou a existência das contas secretas do ex-ditador (1973-1990) no Riggs, foi repassada ao Chile há 14 meses. "Os acordos anunciados marcam o final de uma etapa, considerando que este é um processo que durou mais de um ano, durante o qual o banco cooperou plenamente com as autoridades", destacou Granifo.O juiz Sergio Muñoz, que solicitou a perda de imunidade e que investiga a origem da fortuna de Pinochet desde julho de 2004, informou que a fortuna não declarada do ex-governante chega a cerca de US$ 27 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.