Banco dos EUA reduz previsão do PIB do Brasil para 1,3%

O banco de investimentos norte-americano Merrill Lynch promoveu uma redução expressiva na previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2002, citando a aversão ao risco do mercado. O banco prevê agora que o País crescerá 1,3%, ante a estimativa anterior de expansão de 2,1%. "No caso do Brasil, (o risco) é composto por mudanças regulatórias que desencadearam um círculo vicioso nos mercados financeiros, que já estavam muito voláteis por causa de preocupações eleitorais", disse o banco em relatório distribuído hoje.O Merrill Lynch também rebaixou de 3,9% para 3,2% a previsão de crescimento do PIB para 2003. No entanto, o banco destacou que a tendência para o País é ainda de recuperação ao longo deste e do próximo ano. "Acreditamos que as contas externas do Brasil vão, provavelmente, continuar mostrando um ajuste muito favorável que vêm sucessivamente superando as expectativas", disse o Merrill Lynch, ressaltando que há uma probabilidade alta de que a previsão de déficit em conta corrente sofra uma revisão em baixa significativa.A nova previsão para conta corrente do Brasil é de -3,5% do PIB, de -3,6% anteriormente. A previsão para 2003 foi rebaixada de -3,7% para -2,9%. "Nossas expectativas favoráveis para a conta corrente do Brasil levam-nos a acreditar que o País será capaz de cumprir suas necessidades de financiamento externo para o restante deste ano e em 2003", afirmou. "Mantemos a nossa visão de que as tendências econômicas fundamentais no Brasil estão caminhando, de maneira decisiva, para a direção certa, com nenhuma razão para esperarmos uma mudança significativa dessas tendências no futuro breve".

Agencia Estado,

09 de setembro de 2002 | 16h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.