Banco faz acordo com chilenos

O Bradesco fechou um acordo operacional com o Banco de Chile - a principal instituição financeira de capital chileno - na área de administração de recursos. Com a aliança, a Bradesco Asset Management (Bram) e a Banchile Inversiones desenvolverão em conjunto produtos de investimentos e oferecerão oportunidades de negócios no Brasil para investidores chilenos e vice-versa.Segundo o presidente do Bradesco, Márcio Cypriano, os fundos de pensão chilenos, por exemplo, terão possibilidade de aplicar recursos no País por meio da Bram. "A Banchile captará os recursos e os enviará à Bram, que fará a gestão do dinheiro." Os investidores brasileiros que desejem aplicar no Chile farão o caminho contrário.O contrato foi assinado ontem no Brasil. No dia 16, haverá uma solenidade no Chile para celebrar a parceria. De acordo com Cypriano, a aliança não envolve dinheiro nem troca de ações. Para o diretor-superintendente da Bram, Robert John van Dijk, o acordo é resultado do desenvolvimento dos mercados brasileiro e chileno. Recentemente, os fundos de pensão chilenos, que administram US$ 104 bilhões, receberam autorização do Congresso para aumentar o limite de investimentos no exterior, de 30% para 45%, até junho de 2008. Hoje, US$ 2 bilhões são destinados ao Brasil. "Com a mudança, pelo menos mais US$ 1 bilhão deve vir para o País."

O Estadao de S.Paulo

03 de outubro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.