Banco Morgan Stanley recomenda vender ações da Petrobrás

Relatório a investidores conclui que dívida da estatal é grande demais para seu fluxo de caixa; banco também cortou estimativa de lucro da petroleira

O Estado de S. Paulo

27 Abril 2015 | 10h12

O banco norte-americano Morgan Stanley enviou nota a clientes no domingo, 26, na qual rebaixa sua recomendação em relação às ações da Petrobrás para "venda". 

O argumento da instituição financeira é de que os níveis da dívida da companhia são "altos demais" para serem suportados pelo fluxo de caixa operacional.



O documento, assinado pelos analistas Bruno Montanari e Madalena Carmona e Costa, afirma que a aceleração da dívida não é mais uma ameaça e que a empresa tem recuperado o acesso ao mercado de dívida. 

No entanto, fundamentalmente, esse descompasso entre dívida e caixa deve prevalecer nos próximos quatro anos, com a expectativa de que os investimentos superem a geração de caixa, em média, em torno US$ 6 bilhões.

Para os analistas, os cortes de investimentos anunciados até agora contribuíram para a desalavancagem, mas não são suficientes para corrigir completamente o balanço. 

O banco também cortou sua estimativa de lucro da Petrobrás para o biênio 2015-2016 em 30%. O preço-alvo caiu 15%, a US$ 8,50. (Com informações da Dow Jones Newswires).

Mais conteúdo sobre:
Petrobrásbolsa de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.