Banco Mundial corta previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2018 de 2,4% para 1,2%

Banco Mundial corta previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2018 de 2,4% para 1,2%

Instituição avalia que a situação geral do Brasil 'parece preocupante, com considerável incerteza política'

Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2018 | 10h28

BRASÍLIA - O Banco Mundial cortou pela metade a previsão de crescimento da economia brasileira em 2018 e agora prevê expansão de 1,2% neste ano. A instituição também reduziu a expectativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019. Em relatório divulgado nesta sexta-feira, a instituição avalia que a situação geral do Brasil "parece preocupante, com considerável incerteza política".

A previsão para o crescimento da economia brasileira em 2018 caiu de 2,4% - estimativa divulgada em junho - para 1,2%, conforme números da atualização do cenário macroeconômico do Banco Mundial divulgados nesta manhã. Para 2019, a previsão de crescimento do PIB foi reduzida com menor intensidade: de 2,5% para 2,2%. 

Economistas da instituição internacional dizem que há três principais motivos que explicam a piora do quadro econômico: "a persistência de um grande e aparentemente intratável déficit fiscal, falta de uma significativa reforma previdenciária e o crescimento da incerteza política relacionada às eleições de outubro". Além dos três problemas internos, o organismo avalia que o cenário externo também prejudica o Brasil "com a recente apreensão no mercado internacional de capitais". 

Somados, os problemas domésticos e o cenário externo "resultaram em um crescimento ainda mais modesto, com a atual previsão de 1,2% para 2018". 

Apesar da piora do cenário, o relatório do Banco Mundial lembra que a situação dos vizinhos é ainda pior. "É esperado que o Brasil se saia melhor que a vizinha Argentina, mas mesmo assim bem abaixo das previsões iniciais", diz o relatório, ao lembrar que o Banco Central previa expansão do PIB de 2,6% em 2018, mas reduziu a previsão para 1,6% após a paralisação dos caminhoneiros. A Argentina deverá voltar à recessão neste ano, com contração do PIB de 2,5%. Em junho, o Banco Mundial previa crescimento de 1,7% para a economia vizinha. 

Mais conteúdo sobre:
PIB [Produto Interno Bruto] economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.